<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d11538882\x26blogName\x3dLa+force+des+choses\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLACK\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://scriptoriumciberico.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://scriptoriumciberico.blogspot.com/\x26vt\x3d-290933400104219020', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
La force des choses
30.8.07
 
Um óbito
Sentimentos…que todos os dias se alteram, nesta terra em que o tempo tanto corre, como não passa por nós.

Hoje o dia começou com um funeral, como se diz aqui, um “óbito”. A tia da Ivone faleceu e o funeral foi hoje no Cemitério do Alto das Cruzes (no Bairro Miramar).
Chegámos ao Cemitério, o calor era imenso, abafava, fazia suar pelo rosto abaixo. Vimos então, já o acompanhamento de um funeral.

Não sabíamos se era aquele. Faltavam 5 minutos para as 13h e podia ser outro.

Perguntei a uma mulher, que no seu compasso lento, seguia aquele grupo pesaroso e respondeu-me que era o funeral da Marisa. Agradeci e lembrei-me vagamente do nome, por várias conversas que a Ivone teve comigo.
Este funeral envolveu-me de vários sentimentos. Naturalmente que qualquer funeral ainda me faz recordar a morte da minha mãe. Mas para além dessa inevitabilidade, fez-me lembrar os funerais de negros noutras partes do mundo.
Não se estava a festejar a morte como em New Orleans, mas a tristeza profunda de uma partida sem regresso.

E em Angola, como provavelmente em toda a África, a expressão da dor é mais exteriorizada, manifestam-na sem reservas ou preconceitos.
Essa expressão parece também o evocar das almas dos que já lá estão. E por isso os chamam, a mãe, o pai, o irmão, o sobrinho, todos aqueles que um dia partiram e nunca mais voltaram.
Num dado momento, já no local onde o caixão iria baixar à terra, rezou-se um Pai Nosso, uma Avé Maria e houve cânticos de voz arrastada e triste.
As exéquias continuaram e voltou-se a repetir o Pai Nosso e a Avé Maria.
Os homens encarregues de enterrar o caixão, pegaram nas cordas… e mal terminou esta última oração, ouviram-se gritos, autênticos uivos lancinantes, assustadores… O sentimento genuíno, vivo, de uma dor incontida.
Ficámos petrificados, com todo aquele clima de dor e saudade, de expressão sem medo do ridículo, de um extravasar da intimidade, em que mulheres e homens, o fizeram da mesma forma.
Quando vimos a Ivone, ela vinha amparada pela família, a chamar pela mãe “eu quero a minha mãe aqui, já!”, “quero a minha tia!”… enfim, derramou naquelas lágrimas, todas as vontades que o coração pediu.

Pediu… sem ser atendido.

E com esta morte, aprendi mais uma regra de vida: não vale a pena disfarçar, mascarar a verdade. Fiz muito bem em chorar a minha mãe durante o tempo que precisei… e sempre que tiver vontade de o fazer.

Rita Jasmim

Etiquetas: , , ,


Comments:
Li e gostei. Lamentavelmente não conheço a África. A Verdadeira a lá do Sul. Na do Norte estive na Líbia, Egipto e ETiópia. Quando me quiseram enviar para as guerras coloniais já eu andava noutra guerra contra essas.
Gostei do post.
Fui ver quem era o cds só fiquei a saber a idade. Afinal somos quase da mesma idade eu tenho 105.
 
Caro RM
muito obrigado pela visita.
Mas o post é da Rita, por sinal muito mais nova, lol
 
que estátua lindíssima........
 
Enviar um comentário

<< Home

Powered by Blogger