<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d11538882\x26blogName\x3dLa+force+des+choses\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLACK\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://scriptoriumciberico.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://scriptoriumciberico.blogspot.com/\x26vt\x3d-290933400104219020', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
La force des choses
5.10.08
 
Do 5 de Outubro
De maneira geral, pode pois, dizer-se que a revolução foi feita por esse "povo" (e obviamente, pela Carbonária militar), sob a direcção das camadas mais baixas da pequena burguesia. É também interessante sublinhar que, de um ponto de vista sócio-profissional, os carbonários portugueses de 1910 se aparentavam muito estreitamente aos sans culottes do Ano II, aos "setembristas" de 1836 e aos communards de 1871.
Por toda a Europa se extinguia já o mundo material a que pertenciam e, com ele, a ideologia que era a sua e os "grandes" exemplos históricos que os animavam. Na verdade, enquanto os chefes "respeitáveis" do Partido Republicano Português tomavam por modelo os republicanos franceses "pós-Dreyfus", os militantes da Carbonária Portuguesa punham os olhos em 1793, em Mazzini e na Barcelona anacrónica do fim do século. Significativemente, excepto por dúzia e meia de operários fabris e um ou outro electricista, fotógrafo ou motorista, as profissões conhecidas dos revolucionários de Outubro nada tinham a ver com a tecnologia dominante na Europa da época. De certo modo, a República vinha cem anos atrasada e os republicanos, que se proclamavam construtores de um país "novo", eram efectivamente homens do passado.
in Valente, VP, O Poder e o Povo, Gradiva 1976 (pg 139)

Etiquetas: , ,


Comments: Enviar um comentário

<< Home

Powered by Blogger