<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d11538882\x26blogName\x3dLa+force+des+choses\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLACK\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://scriptoriumciberico.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://scriptoriumciberico.blogspot.com/\x26vt\x3d-290933400104219020', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
La force des choses
27.1.08
 
Apologia do bastonário
E para que nós nos não admiremos, e os que governam ou desejam governar tenham tanto medo dos seus ofícios como dos seus desejos, reduzindo a verdade desta sentença à evidência da prática, argumento assim: todo o homem que é causa gravemente culpável de algum dano grave, se o não restitui quando pode, não se pode salvar; todos ou quase todos os que governam, são causas gravemente culpáveis de graves danos, e nenhum restitui o que pode: logo nenhum ou quase nenhum dos que governam, se pode salvar.
Padre António Vieira, Sermão da Primeira Dominga do Advento, 1650


Por estas palavras podemos imaginar, com que frieza o poder do século XVII brindava o génio jesuíta. Valeu-lhe entre outros mimos, a queima de uma efígie sua em Coimbra, e se fosse hoje, já teria inquérito da procuradoria e chamada ao parlamento.
Mas devo acrescentar, para repouso da verdade, que os tempos talvez não pareçam, mas são outros - já a essência do poder... julgo-a igual.
E por tal razão, as induções de António Marinho deviam - e terão de - ser particularizadas.

Etiquetas: , , ,


Comments: Enviar um comentário

<< Home

Powered by Blogger