<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d11538882\x26blogName\x3dLa+force+des+choses\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLACK\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://scriptoriumciberico.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://scriptoriumciberico.blogspot.com/\x26vt\x3d-290933400104219020', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
La force des choses
5.5.05
 
Os Vencidos da Vida
julian opie

Para um homem, o ser vencido ou derrotado na vida depende,
não da realidade aparente a que chegou,
mas do ideal íntimo a que aspirava.

José Maria E. de Q.

Etiquetas: , ,


Comments:
....e eu o que é que acha? ando às voltas com o meu piano com a minha angustia com os meus medos com as minhas inseguranças infantis eu sei que até já não tenho idade para elas, mas tenho-as e às vezes doiem. mt. demais. e eu...gosto tanto de si e dos "outros" Bj e obg....e ops...ja disse demais.
 
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
 
"Os intelectuais estarão condenados a bater-se por ideais de que saem quase sempre vencidos?"
O grande José Maria não sonhava certamente que a fórmula um viria a existir.
 
MF
apesar de parecer, nunca me dou por derrotado.
Apenas me conformo; assim que posso salto em frente.
E nunca deprecio os meus "medos", porque já aprendi que podem ser meus aliados, deles pode vir a minha força; atrás de cada obstáculo esconde-se sempre um horizonte mais largo.

Gostei muito de ler as suas poesia no livrinho do Museu da Água.
Continue connosco por favor :)*
 
...pode gostar-se do que não se vê?pode ver-se só o que se lê?pode ser urgente o que antes não existia? podemos reconhecer (nos) na invisibilidade, podemos "cheirar" a ausência? a diferença está em que onde? no perto? no longe?......................esteve no Principe Real quando? só (...?!..)por curiosidade...bjo.
 
Jrd
O sentido que dei era menos intelectual, tem a ver com as minha humildes frustrações.
Mas a frase do Zé Maria aplica-se hoje como ontem, penso eu, pois a matéria humana é a mesma.
Só que para ele era a Nobre Política, e para mim era mais simplesmente... Monza. :)
 
CBS,

também tenho uma nesta matéria desportiva: chama-se ténis!
Continuo a acompanhar a sua corrida em directo.
E já aposto em si.
 
MF
Estive lá ontem.

Quanto a esse torvelinho de questões é prenhe de muitas outras :)

Diria simplesmente que:
a)Só se pode gostar do que se conhece, e isso implica "ver".
b)Existem muitas formas de ver, mas todas conduzem ao coração (incluindo a razão), essa é a forma humana quando se tenta fugir à animalidade.

Sei que isto -formas de ver- é polémico, mas é também uma das seduções da Blogosfera (e não gosto desta palavra).

:)*
 
Oh... diga-se: uma frustrazãozinha, por vezes nada humilde, no meu caso...
 
Sandra

Arranja-se sempre maneira de contornar as frustrações.

No meu caso, estou a (tentar) escrever um livro sobre automóveis.
 
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
 
Enviar um comentário

<< Home

Powered by Blogger