<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d11538882\x26blogName\x3dLa+force+des+choses\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLACK\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://scriptoriumciberico.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://scriptoriumciberico.blogspot.com/\x26vt\x3d-290933400104219020', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
La force des choses
25.4.05
 
Fernando Salgueiro Maia (1944 – 1992)
Nasceu em Castelo de Vide a 1 de Junho de 1944.
Estudou no Colégio Nuno Álvares em Tomar e no Liceu Nacional de Leiria.
Entrou para a Academia Militar em 1964.
Em 1966 ingressou na Escola Prática de Cavalaria.
Combateu em Moçambique e na Guiné, com o posto de Capitão.


No dia 25 de Abril de 1974 comandou a coluna militar de 250 homens e 10 carros de combate, que saiu da EPC de Santarém e marchou sobre Lisboa, ocupando o Terreiro do Paço.

Horas mais tarde comanda o cerco ao Quartel do Carmo que termina com a rendição de Marcelo Caetano.
Foi membro da Assembleia do MFA, durante os governos provisórios, mas não aceitou qualquer cargo político no pós 25 de Abril.
Faleceu em Santarém a 3 de Abril de 1992, com o posto de Tenente-coronel.

É o mais puro símbolo de coragem e generosidade dos capitães de Abril.

Etiquetas: , , ,


Comments:
Parece que Portugal não tem alma para os generosos.
Nem coragem para o admitir.
Mas vale lembrá-lo.
 
Para mim Abril foi importante, mas depois sofri; ainda hoje tenho a marca do PREC na alma, e não fui feliz nesse período.

Mas este homem foi dos que mais arriscou e dos que menos se aproveitou,... apenas ficou com a Liberdade.
É único e durante muito tempo (enquanto vivo)lembravam-no pouco.
 
Vindo de perspectivas diferentes é possivel convergir em certezas comuns.
Salgueiro Maia foi efectivamente tudo o que referiu e que eu não teria dúvidas em subscrever.
Cumprimentos
 
A tua última frase diz tudo.Parabéns :-)
 
Enviar um comentário

<< Home

Powered by Blogger