<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d11538882\x26blogName\x3dLa+force+des+choses\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLACK\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://scriptoriumciberico.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://scriptoriumciberico.blogspot.com/\x26vt\x3d-290933400104219020', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
La force des choses
25.7.10
 
Para-teoria 2 - Liberalismo
A clivagem política universal que teve origem na grande revolução de 1789, só entrou realmente em Portugal nas primeiras décadas do século XIX, com as invasões francesas. No entanto, apesar do processo se ter iniciado antes, é costume situar o ponto histórico de viragem na revolução liberal de 1820. Só a partir daí terá verdadeiro sentido falar de esquerda e direita politica em Portugal.
Inicialmente, e batendo-se depois na guerra civil, o campo da direita foi representado pelos “absolutistas” – defesa do poder absoluto do monarca – que só reconheciam a legitimidade da tradição; o campo da esquerda, conforme ao espírito moderno, assentava a legitimidade política nos cidadãos (onde o rei era sem distinção) e reclamava para estes, tanto a liberdade como a igualdade. Numa certa perspectiva, a direita e a esquerda portuguesas, descendem respectivamente, do senhor dom Miguel e do senhor dom Pedro. Acresce que, por causas religiosas profundas, a Igreja Católica sempre foi de facto, em Portugal, a organização mais influente no lado direito.
Mas depois da esquerda ter ganho a guerra civil, vamos encontrar de novo a polaridade direita-esquerda no campo liberal. Com a maioria já convertida às novidades, renasceu a divisão entre conservadores e revolucionários. Os primeiros sobrevalorizaram a tolerância (admitindo mesmo partilhar a soberania com o rei) e a liberdade (no fundo, outro nome que dão à propriedade); preferindo à cautela o sufrágio indirecto; exigiam ordem e, em teoria – mas não na prática, em Portugal, como prova Pulido Valente – o Livre-câmbio na economia. Os segundos, da esquerda, sobrevalorizaram a igualdade e só reconheciam a soberania do “povo” – conceito vago e variável com as conveniências momentâneas – por isso preferindo o sufrágio universal e directo. Para eles a ordem legítima – desconfiam de qualquer outra – é a que deriva da mudança violenta, na revolução, e na economia preferem o proteccionismo. No século XIX, os da direita chamaram-se cartistas (da Carta constitucional) e cabralistas – usamos igualmente os termos moderado, conservador e reformista – e os da esquerda chamaram-se vintistas (da constituição de 1822) e setembristas – igualmente radicais, progressistas e Democráticos.
Antes do século XX ter início, muitos dos da esquerda converteram-se ao republicanismo, contra a monarquia. Tornou-se na clivagem essencial: todo o mal do mundo vinha do privilégio real, e todo o bem surgiria da sociocracia positiva, que designavam por Republica, sob o signo da igualdade e da probidade. Obviamente, a corrupção resultava da monarquia.

Etiquetas: , ,


Comments: Enviar um comentário

<< Home

Powered by Blogger