<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d11538882\x26blogName\x3dLa+force+des+choses\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLACK\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://scriptoriumciberico.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://scriptoriumciberico.blogspot.com/\x26vt\x3d-290933400104219020', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
La force des choses
17.7.09
 
À esquerda...
Consciente e convicta (…) de representar a consciência aguda da injustiça, da opressão, do privilégio inaceitável, a esquerda viveu-se durante os quase dois séculos da sua manifestação histórica (…) como se estivesse imune, por princípio, ao erro, ao desvio, à desfiguração ou até à traição ao ideário transparente com que se definiu.

Se neste momento a esquerda europeia está, ou parece estar, numa situação particularmente melindrosa, é talvez apenas por se ter imaginado que os erros ou pecados políticos, sociais e económicos só podiam ser cometidos pela direita, ou talvez melhor, que a direita é a expressão, nessa ordem, da História como pecado.

Eduardo Lourenço, Esquerda na encruzilhada ou fora da História? - Gradiva 2009 (ainda a sair e a ler)

Etiquetas:


Comments:
Imaginou-se e muito bem. Por isso é que a "esquerda", desejosa de pecar, se travestiu de direita.
bfs
 
abraço e bfs
 
despedi-me caro Jrd, mas fiquei com a resposta atravessada :)

por isso lá vai... essa de denominar a esquerda pecadora, como travesti de direita, cai quanto a mim no mesmo erro de que fala o Lourenço; atribuir à esquerda o Bem e à direita o Mal.

Precisamente. O que se tem visto nestes dois seculos é uma repartição do mal. Longe do bom selvagem da utopia, a natureza humana é perversa e daí não saimos. A minha saida é de ordem religiosa, sob pena do negrume niilista à Pulido Valente.

Por outro lado, o próprio Lournço o diz noutro trecho, mesmo os grandes da direita (os Chateaubriand, os Proust, os Balzac) eram de esquerda na sua visão impiedosa da sociedade humana.
Eu aí afasto-me do maniquéismo esq.-dir. e remeto a questão para a raíz: liberdade e igualdade, onde ficam?
E mais, vejo o bem do conservadorismo (como o vejo no progressismo) tal como vejo o mal na revolução, intrinsecamente violenta (como o vejo na tirania, aliás).
Porque raio teremos de escolher entre o nosso lado esquerdo e o direito?
 
E fez muito bem em desatravessá-la.
Não saberei bem o que é o mal e saberei mal o que é o bem, mas, tal como a sua saída, a minha entrada é “religiosa”: Apenas sei que em nome do bem se tem feito o mal.
Por outro lado, julgo saber o que são a esquerda e a direita, para mim, a liberdade e a “igualdade” passam pela primeira e, recorrendo ao mais comezinho Billy Wilder, “o pecado mora ao lado” direito. Talvez por isso, confesso-me, não fui eu que escolhi a esquerda, mas sim ela que me escolheu, daí que há muito me sinta absolvido…
O abraço de sempre
bfs
 
Enviar um comentário

<< Home

Powered by Blogger