<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d11538882\x26blogName\x3dLa+force+des+choses\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLACK\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://scriptoriumciberico.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://scriptoriumciberico.blogspot.com/\x26vt\x3d-290933400104219020', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
La force des choses
3.3.09
 
Na terra dos pequeninos
Bons carneiros, depois da desgraçada sucessão do Cherne - que se foi por conveniencia pessoal - votámos Sócrates. Não no PS. Em Sócrates.
Ao fim de um par de anos reconhecemos um líder com brilho nos olhos. Que recalibrou a despesa pública, segurou a segurança social, meteu a burocracia na era digital, pegou com energia nas renováveis, e com coragem, quis romper domínios fundamentais como a justiça, a saúde ou a educação.
O importante ficou nas contas, que no resto nem metade conseguiu. Mas tentou. Na III Republica, foi o único que verdadeiramente tentou dissipar o manto de nevoeiro branco que recobre este país. Cavaco, excepção feita à reforma de Cadilhe, terá sido outra história, mais de construções, do que de instituições.

Caiem-nos então em cima, as primeiras vagas da maior tempestade. A paisagem começa a assemelhar-se ao mar de lama e detritos, após um tsunami. Tudo fica em risco. Ninguém é prescindível.
Será por aqui que, esboroada a governação, José Sócrates perde o pé.
Não nas licenciaturas e-mail, não nos projectos da Cova da Beira, nem mesmo nas sombras do Fripórte; só pela potência do vento. É exemplo típico, a tristeza da Quimonda com pés de barro - maior exportador mas, um só fornecedor, um só cliente - paradigma do Portugal da ponta da catana.

A Manuela, pese embora alguma responsabilidade – até anterior ao grande Cherne – no estado a que isto chegou, vai saindo, a pouco e pouco, do mundo exíguo onde se recolhia. Será aqui, mesmo sem jeitinho nenhum, que começamos a reparar no que ela diz. Reparamos na dívida externa, praticamente igual a um ano de produção nacional. E em vivo progresso. Reparamos na manipulação mediática muito profissional – exemplificada com as recentes cortes laudatórias – lembrando-nos que o rei vai nu. Que por volumoso que seja o palavreado, tudo se sumirá com o vento.
Bendita seja então a imprensa negra… e existir oposição.

E reparámos também, na escolha entre Espinho e Bruxelas.
Um primeiro-ministro, que não é dos socialistas, mas de todos. Parece oportuno lembrar José Sócrates, que o excesso de confiança reduz a visão, que boa parte da sua votação vem da asa direita, e não apenas do segundo Calhau à esquerda. Vem de gente conservadora, que gosta de líderes a defender o que considera a sua nação, os seus interesses, enfim, de ter um procurador à altura; este pormenor, não nos parece menor. Na actual barafunda da União, em Bruxelas, joga-se entre fracasso e salvação. Portugal será pouco relevante, sim, mas também em ultima analise, a questão não é económica, é política. De vontade política e urgente. E mútua, claro.
Por isto tudo, é difícil entender que a única falta de um líder europeu, lá onde se joga tudo, tenha sido do primeiro ministro de Portugal - por conveniencia pessoal, como o outro.

Etiquetas: , , ,


Comments:
Não basta ter razão

mas não a tendo

é mais difícil estar presente

de corpo inteiro

seja onde for.

Talvez na barafunda

nem a europa nem o país

em absoluto

Oremos
 
Um foi o outro não. Completam-se, por isso se entendem.
É a Tugalãndia em toda a sua pujança governativa.
 
Enviar um comentário

<< Home

Powered by Blogger