<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d11538882\x26blogName\x3dLa+force+des+choses\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLACK\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://scriptoriumciberico.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://scriptoriumciberico.blogspot.com/\x26vt\x3d-290933400104219020', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
La force des choses
10.2.08
 
Ao Luis...
Dizes: “Que o povo alemão tenha seguido gente tão estúpida é o que me continua a deixar perplexo”…

E não vês a influência de Nietzche?
O erro fundamental foi, acreditar, e fazer acreditar, que há uma divisão na Humanidade; de um lado “mestres” e do outro “escravos”.
Porque não é verdade, na realidade cada um de nós é simultaneamente chefe com o instinto de comandar e sujeito prestes a obedecer; ainda que a segunda tendência seja a mais aparente nas massas humanas.
Mas a História mostra com frequencia, modestos cidadãos, humildes e obedientes, que um belo dia se levantam com a pretensão de conduzirem homens; é o que vemos em todas as revoluções.

Até à década de trinta, e durante a ascensão do Nazismo, as modas filosóficas andavam muito nessas bandas; era fácil, aliando o anti-semitismo europeu antigo, fazer passar a ideia de que há raças fortes, puras e outras degeneradas, fracas, inversoras dos valores para sobreviverem (note-se que a filosofia do super-homem não era, em si, racista) pois o seu carácter negativo era constitutivo e imutável. Tinham de ser seleccionados...
E de seguida fácil também é estatuir, como negativa a moral dos fracos, em particular a piedade cristã, e como positiva a moral afirmativa, irracional mas estética, a dos fortes (no fundo, a cruedade); e assim justificar agir mal, porque já não é mal, mas um embuste dos fracos.
Repare-se também, como parecem emergir do filme dois paralelos, um entre esta multidão e a que vociferava a Pilatos “crucificai-o! crucificai-o!”; e outro entre o criminoso inveterado e o propagado carácter "imutável" dos judeus.

Etiquetas: , , ,


Comments: Enviar um comentário

<< Home

Powered by Blogger