<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d11538882\x26blogName\x3dLa+force+des+choses\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLACK\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://scriptoriumciberico.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://scriptoriumciberico.blogspot.com/\x26vt\x3d-290933400104219020', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
La force des choses
5.10.09
 
Uma análise relevante à esquerda
A vitória do PS nas legislativas tem sido menorizada por quase todos os quadrantes políticos num estilo assim: o partido que ganhou foi o que mais perdeu.
Sócrates, no entanto, classificou a vitória como “extraordinária”. E de facto, talvez o seja. Senão veja-se esta análise, que nas Cartas ao director do Público 4-10-09, é assinada pelo leitor José Geraldes de Alhandra:

Segundo os partidos de esquerda afirmaram durante quatro anos e meio de legislatura, o PS governou com politicas de direita.
Parece-me não haver qualquer dúvida de que, ao longo da legislatura, se foi notando que cada vez mais eleitores que haviam votado PS já não iriam repetir esse voto. E isso confirmou-se em 27 de Setembro. O PS teve menos 505 mil votos. Para onde foram estes votos? 115 mil para a abstenção; 207 mil para a esquerda (PCP/BE) e 177 mil para a direita (CDS).
Ora os partidos de esquerda não podem andar a afirmar, durante quatro anos e meio, que o PS governou à direita e agora somarem os seus votos com os do PS para dizerem que a esquerda é maioritária.
Nada legitima este raciocínio, tanto mais que o líder do PS continua o mesmo. O que me parece legitimo concluir dos resultados desta eleições, face ao exposto, é que 36,5% dos eleitores concordaram com a politica de direita que o PS praticou, por isso votaram novamente neste partido, e que, portanto, estes votos se podem somar aos do PSD e aos do CDS para se saber qual é o sentido do voto.

Etiquetas:


Comments:
Temos a esquerda, temos a direita e temos o "resto" que normalmente se junta a esta. Digo eu...
 
Há quem chame centro, mas essa nunca tinha ouvido... resto :)
 
e restos não solução, diz a minha veterinária... minha, salvo seja :)
 
Ainda a tempo: O meu (salvo seja, também) Vet também dizia o mesmo...
Abraço
 
Enviar um comentário

<< Home

Powered by Blogger