<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d11538882\x26blogName\x3dLa+force+des+choses\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLACK\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://scriptoriumciberico.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://scriptoriumciberico.blogspot.com/\x26vt\x3d-290933400104219020', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
La force des choses
15.1.09
 
Foi-se o Branco
Já cá estava quando aqui cheguei. Apareceu muito novo aos guardas cá do Jardim, que o adoptaram. Acompanhava-lhes as noites, na portaria e nas rondas.
Ninguém sabia a idade, mas agora, velhote e sem dentes, pendia-lhe uma linguita rosada por entre as beiças.
Reparei nele numa ocasião, ao atacar um cão com tal ferocidade que o pôs em fuga. Depois disso, vi muitos de bom porte fugirem da furia felina. Ainda na semana passada, eriçou-se todo a correr com um embasbacado cachorro que passava ao portão.
Fora disso, ficava deitado nas capotas dos carros estacionados, indiferente a uma berlina "de luxe" ou uma carripana anónima. Estirava-se ao Sol, e ali ficava dormente numa calma enganadora...
A verdade é que todos estimávamos o bichano; esta manhã apareceu sem vida, no alto da escadaria. Dentro de uma caixa enterrámo-lo no Jardim, para lá da grande Ficcus, entre uma cerejeira e a tilia de folhas grandes.
Tá pesado por aqui... se tivesse uma bandeira, punha-a a meia haste.

Branquito, apartir d'agora ficas a ronronar nos nossos corações, todos os dias.

Etiquetas: ,


Comments:
RIP :(

*
 
Sei que isso é na vertente canina. Dói e muito.
 
Obrigado. Um abraço aos dois.

Também já me morreram dois canídeos, Jrd, nunca tive gatos comigo.
Este era do Jardim Botânico, desde que conheço o sítio. Houve e há outros, mas o Branco era especial, toda a gente passava por ele ao entrar, ao sair... e já esperáva-mos que um destes dias se fosse, estava muito velhote... vai é ser-nos dificil habituarmo-nos à ausencia do nosso amigo.
É a vida, como dizia o outro... o bom e o mau, que nunca gostam de andar um sem o outro.
 
Enviar um comentário

<< Home

Powered by Blogger