<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d11538882\x26blogName\x3dLa+force+des+choses\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLACK\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://scriptoriumciberico.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://scriptoriumciberico.blogspot.com/\x26vt\x3d-290933400104219020', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
La force des choses
8.12.08
 
O centenário Manoel

A propósito do centenário de Manoel de Oliveira (acima, da direita para a esquerda, o brasileiro Benedito Lopes, Edward Rayson, Manoel de Oliveira, Henrique Lehrfeld, com a cruz de Cristo, e Monte Real) não posso deixar de referir o aspecto que mais me toca no mago do cinema (cujos filmes me fazem sono, admito que por incultura minha), ou seja, as corridas de automóveis. Ele e o irmão, Casimiro de Oliveira (mais conhecido no meio) fizeram parte do escol dos pilotos portugueses, no período entre as duas grandes guerras do século passado.
Do vasto palmarés, creio ser mais relevante, o período em que correu na equipa Ford de Manuel Menéres e Eduardo Ferreirinha (construtor do famoso Edfor) com os protótipos V8 especiais. Foi o fascínio desses carros que levou Oliveira a realizar na época o documentário "Já se fabricam automóveis em Portugal".


1936 - 1º Rampa do Cabo da Roca; 2º Rampa da Pena; 2º Rampa do Buçaco; 3º Circuito de Santarém; 3º Rampa de Santarém
1937 - 1º Circuito do Estoril
1938 - 1º Rampa do Gradil; 3º Circuito da Gávea (Brasil)

"Em boa altura, e já logo asseguir ao 25 de Abril em 1975, retomei o cinema com "Benilde ou a virgem mãe" e acabei por me desinteressar de todo pelas corridas, mas vejo-as, por vezes na televisão. Os carros e os circuitos actuais dão uma grande protecção ao piloto. E ainda bem. No tempo em que corriamos estávamos longe de ter, quer nos carros, quer nos circuitos, essa protecção. De qualquer desastre se não se morria saía-se muito combalido. Porém, mesmo com todas as protecções houve um caso que foi fatal. E quando fui a S.Paulo a um festival de cinema, quis visitar o cemitério onde jaz o corredor brasileiro Ayrton Senna. Havia sobre a tumba, uma placa de ferro com estes dizeres gravados em baixo-relevo: Podem-me roubar tudo, menos o meu amor a Deus". (Manoel de Oliveira na Introdução à História do automobilismo português, Talento 2004)

Em baixo: Em segundo plano, Oliveira no Ford V8 especial, persegue o Maserati de Edward Rayson, no circuito do Estoril de 1937 que o futuro cineasta virá a vencer


Etiquetas: ,


Comments: Enviar um comentário

<< Home

Powered by Blogger