<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d11538882\x26blogName\x3dLa+force+des+choses\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLACK\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://scriptoriumciberico.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://scriptoriumciberico.blogspot.com/\x26vt\x3d-290933400104219020', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
La force des choses
31.10.08
 
Tributo ao Cão

O único amigo completamente altruísta que um homem pode ter neste mundo egoísta, o único que nunca o abandona, o único que nunca se mostra ingrato ou traiçoeiro, é o seu cão.
O cão está ao seu lado na prosperidade e na pobreza, na saúde e na doença. Dorme no chão frio, onde sopra o vento invernal e cai a neve crua, só para poder estar ao lado do dono.
O cão beijará a mão que não tem alimento para lhe dar, e lamberá as chagas e feridas que encontrar na dureza do mundo.
Ele vigiará o sono do dono mendigo, como se estivesse a guardar um príncipe.
Quando todos os amigos te abandonam, ele fica.
Quando a fortuna voar e a reputação cair em cacos, ele permanecerá tão constante no seu amor, como o Sol na jornada através do céu.
Se o destino oferecer ao dono, a desgraça, o frio, o desamparo e a falta de um abrigo, o cachorro fiel não pedirá mais do que o privilégio de o acompanhar, para o guardar dos perigos e lutar contra qualquer inimigo.
E quando chegar a hora derradeira e a morte tomar o seu dono nos braços, o corpo sepultado na terra fria, não lhe vai interessar que outros prossigam os seus caminhos, ali, ao lado da campa iremos encontrar o nobre animal, o focinho entre as patas, os olhos tristes, mas abertos, alerta, em guarda genuína e leal, até na morte.

Tradução livre da defesa em tribunal, feita pelo senador George Vest em 1870, a um cão abatido injustamente.

Etiquetas:


Comments:
Oh!
É um elogio lindo!
Obrigada pelo aviso...
 
Os cães são seres como nós, com a particularidade de serem muito mais humanos...
 
Apetece-me dizer que o cão é o complemento da alma humana.

sem o eles somos pobres, porque somos muito pouco humanos... e por isso precisamos tanto deles
 
Enviar um comentário

<< Home

Powered by Blogger