<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d11538882\x26blogName\x3dLa+force+des+choses\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLACK\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://scriptoriumciberico.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://scriptoriumciberico.blogspot.com/\x26vt\x3d-290933400104219020', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
La force des choses
29.12.07
 
Mil egos à solta
Num bom artigo hoje, no Público, José Pacheco Pereira faz uma (mais uma) reflexão crítica sobre Metabloguismo: porquê e o quê escrevemos “on line”?

A blogosfera, apesar de estar em expansão, continua a ser um fenómeno de minorias. Mas consegue dar uma interessante amostra da nossa vida intelectual e cultural - não somos sofisticados em linha, se somos trogloditas cá fora - reflectindo as grandes pulsões da Polis nos nossos dias: a sociedade espectáculo e a demagogia.

Jpp releva a desvalorização da palavra escrita em relação à imagem em movimento, como sendo uma marca do tempo actual, recordando-me as proféticas “Seis propostas para o próximo milénio” de Ítalo Calvino: a leveza, a rapidez, a exactidão (nesta falhamos, muito), a visibilidade, a multiplicidade...

Os blogues trazem uma “elite”, mas uma elite em grande parte anónima (mesmo quando se identificam) e portadora de uma mesquinha cultura de massas.
A blogosfera é “uma câmara de ressonância da pobreza da nossa vida cívica”, mas “com a diferença que nos blogues o retrato é mais brutal porque mais arrogante e mais solto”; selvática diria eu... uma visão anti-rousseau.
Por outro lado, os blogues além de reflectirem cultura, também fazem mudar.
Jpp crê identificar uma nova “cultura de blogue”, superficial e feita de pouco mais do que leituras na “net”.
Para ilustrar os efeitos do fenómeno, Jpp socorre-se do velho mas sempre presente Eça: "Juízos ligeiros, vaidade, intolerância – eis três negros pecados sociais que moralmente matam uma sociedade!

Maneira superficial, leviana e atabalhoada de tudo afirmar, de tudo julgar."

Mas reflictamos então, porque escrevemos?
Jpp refere razões egoístas com regras de jogo próprias, afirmativas, assentes num envolvimento fortemente narcísico e auto complacente.
De facto sobressaiem elementos desses, no conteúdo e na forma de cada blogue, até nos pormenor, como o de fechar ou abrir da caixa de comentários, por exemplo.
No meu caso reconheço duas forças de atracção como o narcisismo por um lado e a necessidade reconhecimento externo por outro. No entanto, e aqui contesto Jpp, a blogosfera também nos ajuda a construir; ou porque obrigou a uma ética, que por mim tento que seja cristã, paciente, tolerante e não egoísta – evitando escrupulosamentea agressão gratuíta – nisso superando mesmo o meu comportamento na vida real; ou porque obrigou a estudar antes de editar, a cuidar um mínimo do que se escreve, e também nesse sentido ao saber e à disciplina.
A este propósito dizia Calvino sobre a Multiplicidade: (…) quem somos nós, quem é cada um de nós senão uma combinação de experiências, de informações, de leituras, de imaginações? Cada vida é uma enciclopédia, uma biblioteca, um inventário de objectos, um catálogo de estilos, onde tudo pode ser continuamente remexido e reordenado de todas as maneiras possíveis.

Etiquetas: , ,


Comments:
"sobressaiem"= sobressaem
 
Enviar um comentário

<< Home

Powered by Blogger