<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d11538882\x26blogName\x3dLa+force+des+choses\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLACK\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://scriptoriumciberico.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://scriptoriumciberico.blogspot.com/\x26vt\x3d-290933400104219020', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
La force des choses
1.3.07
 
Da economia da verdade III
A mentira designa sempre uma crença, uma maneira de ser e de fazer, uma forma de viver, que têm como objectivo ou consequência ocultar a verdade, independentemente das suas razões.

Não é tanto o facto em si que choca, mas a palavra "mentira"; domesticados por dois mil anos de dogmatismo Judaico – Cristão, submetidos desde a infância a um verdadeiro adestramento, temos dificuldade em escapar às categorizações morais; mas é desejável fazê-lo e de certa forma conseguimo-lo quando, para poupar a susceptibilidade do interlocutor falamos de discrição, omissões, silêncios, meias verdades...se dissermos que entre um casal deverá existir menos mentiras no sentido agressivo, demolidor e negativo do termo, do que “economias de verdade”, ofendemos menos.


Comments:
Tem piada este jeitinho quase do politicamente correcto acerca do bem e do mal para o bem-estar de casal!! :)
Sempre ouvi falar das mentirinhas piedosas, dessas que parecia serem admissíveis... nunca as entendi. Tenho o mau feitío de querer sempre tudo ou preto ou branco e, depois, quando levo com uns acinzentados pelo nariz, fico meio à toa sem saber por que tonalidade me decidir... :)
Bom, é que julgo que cada um é como cada qual (como sempre disse a minha avó!) e não há razão para andarmos a julgar como certos ou errados os caminhos, as escolhas ou as palavras dos outros... se respeitarmos seremos respeitados (dizia, de novo, a minha avó! e os meus Avó e Avô, sempre viveram com os pés bem fincados neste princípio... e a coisa sempre resultou muito bem...) eu acreditei tanto que assim era e seria para toda a gente que, lá está, não tenho tido a vida muito facilitada... ;) será que devia economizar mais a verdade?!
 
Enviar um comentário

<< Home

Powered by Blogger