<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d11538882\x26blogName\x3dLa+force+des+choses\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLACK\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://scriptoriumciberico.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://scriptoriumciberico.blogspot.com/\x26vt\x3d-290933400104219020', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
La force des choses
21.12.06
 
A conversão que Bergson impõe ao espírito

kethinovart

A representação de uma multiplicidade de penetração recíproca, completamente diferente da multiplicidade numérica, racional é o ponto de partida aonde Bergson sempre retorna.
Ele volta incessantemente a uma representação de uma duração heterogénea, qualitativa, criadora.
Essa representação intuitiva, não racionalizante, pede ao espírito um grande esforço, a ruptura de muitos quadros mentais, é qualquer coisa como um novo método de pensar, porque o imediato, o dado imediato da consciencia, está longe de ser o que mais fácilmente se percebe; o nosso pensar é discursivo, é naturalmente mediato e não imediato.

Mas uma vez chegados a essa representação, e possuíndo-a sob uma forma simples (não confundir simplicidade com recomposição de conceitos) sentimo-nos obrigados a mudar o nosso ponto de vista sobre a realidade.
E vemos que o problema essencial da Filosofia, do pensamento de Kant, foi pensar o Tempo apartir do Espaço, dividindo-o em parcelas iguais e homogéneas.
Nada de mais irreal, esse tempo não dura, partamos dessa grande intuição a que Bergson designou por Duração, e os comuns mortais chamam Consciencia.
Comments:
Isto há coisas...

na passada madrugada (em vez de me manter quieta e concentrada no trabalho) apercebi-me de uma realidade violenta em mim: por causa do tempo, claro! Pode ser expressa assim
- sabia que a minha relação com o tempo me traz sempre perto da loucura.
mas só hoje percebi que 19 anos são-me quase nada e a vida toda pode fruir-se numa semana. -

quanto à consciência... :)

Definitivamente, o tempo, para mim, jamais será parcela exacta... seja lá qual for a referência que para ele se use!

[quanto aos relógios... ah, pois, Esse tempo!... agora até sou pontual. talvez porque me fartei dos marcadores de horas ;) ]

[[extra, extra: passei por aqui à tarde, quando o próprio blog afirmava não estar disponível! ter sido convidado a deslocar-se! no tempo? no espaço? na rede, foi, por certo!]]
 
mudámos prá nova versão do blogger... vamos a ver se não me arrependo.
prá já desconfigurou ali umas coisitas na barra lateral.

A consciencia, Maria, a consciencia é o primeiro dado imediato, a primeira intuição de que quase nem nos damos conta, de tão evidente que é.
Mas é conecimento directo, não mediatizado. Depois Descartes começou a mediatizar "penso, existo,..." e as coisas complicam-se.

O conhecer intuitivo é como aquelas imagens virtuais, que vêmos, mas quando as fixamos esfumam-se, quando intelectualizamos vai-se a magia.
Claro que a intuição, tal como a razão, engana-se... mas também acerta.
 
Enviar um comentário

<< Home

Powered by Blogger