<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d11538882\x26blogName\x3dLa+force+des+choses\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLACK\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://scriptoriumciberico.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://scriptoriumciberico.blogspot.com/\x26vt\x3d-290933400104219020', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
La force des choses
25.11.06
 
Porque acabou a Guerra Fria?


A ideologia levou à guerra fria; a economia acabou com ela.
Se até 1962 (crise de Cuba) a batalha foi de ideais e o comunismo parecia em vantagem (a sua atracctividade era o como um soft-power soviético), depois disso, a diferença de desempenho foi-se acentuando, entre as economias centralizadas e as economias de mercado (porque é de economia que se trata e não de paraísos não sei donde).
A ideologia comunista declinou (especialmente após as decepções de Praga 68 e do Afeganistão) e a economia foi-se impondo às ideias. No final, Reagan (sem grande consciencia do que provocaria) apenas deu um piparote numa estrutura já arruinada, com a "guerra das estrelas".

Quando Gorbachev ascendeu ao poder, com novas ideias de abertura, estava-se na plena terceira revolução industrial e existiam nos USA 30 milhões de computadores pessoais, enquanto na URSS havia apenas 50.000. Isto diz muito, porque estando a informação a transformar-se num recurso escasso e essencial das economias, vamos encontrar umaa União Soviética incapaz de se adaptar.
É difícil continuar superpotencia quando 80% da industria está obsoleta.

Mas as intenções de Mikhail eram as melhores, pois pensava que o comunismo podia ser reformado (trazer de volta o "rosto humano" enterrado na Primavera de Praga), só que ao tentá-lo abriu um rombo numa barragem fragilizada libertando pressões acumuladas; as pessoas já não queriam reformar sistema nenhum, queriam era viver melhor e viam luzir mil sóis a Ocidente... assim que as deixaram foram-se embora.
Os chineses compreenderam... e fizeram ao contrário, mantiveram o aparelho repressivo mas abriram a economia aos mercados; o estado sobreviveu mas hoje a China já não é um sistema comunista, é algo que designaria como uma tecnocracia autoritária.
Comments:
"A ideologia levou à guerra fria; a economia acabou com ela."

Se for assim tao simples, entao nada temos a temer dos fundamentalistas islamicos. A batalha ja' esta' ganha... Por exemplo, Israel e o Ocidente nada teem a temer dos palestinianos, da Siria, do Hezbollah, ou do Irao!... ;-)
 
Amigo Mp-s
não foi assim tão simples.
eu tentei identificar as causas da guerra fria num trabalho cujo esquema simplificado apresento; há a forte bipolaridade, que normalmente leva à guerra quente, como em 1914, e só não foi assim desta vez por causa da susto nuclear na crise de Cuba, que foi dar à détente.
Há também a URSS enfraquecida pela guerra a querer colocar uma zona tampão na Europa.
Há os USA com medo do comunismo a investirem na Europa com o Plano Marshal(causa indirecta do bloqueio de Berlim).
Há politica de contenção de Truman; há a politica oportunista de Estaline.

Mas a meu ver, o factor principal ter foi a divisão ideológica e a falta de comunicação resultante... e o medo, sempre o medo do "outro".

Quanto ao Islão, o problema é diferente, e a causalidade dos conflitos não é sempre igual.

Não estudei o problema, mas há factores que são diferentes como:
- a quase impossibilidade de encontrar uma base territorial onde se possa atacar o terrorismo (a URSS e os USA tinham territorios e populações atacáveis)
- o desiquilibrio de poderes, pois qualquer grupo pode rebentar uma bomba atómica em qualquer lado, e o tremendo poder americano (termonuclear) não servirá para nada (assimetria da ameaça)

E também há factores que permanecem:
- escalada do nuclear em jogo
- escalada do securitarismo, que leva a mais insegurança
- Não há uma ideologia (comunista), mas há uma religião politizada que tende para o totalitarismo, e pode ser manipulável como "soft power".

enfim, quando simplificamos ou esquematizamos nunca temos o filme todo, mas tentei definir os vectores essenciais; os estudos de segurança servem para aprender e evitar que se repita o que já sabemos.
 
já agora, também não se explica tudo pela economia, mas ela foi o factor essencial do fim da URSS.
-a economia estagnada baseada em industrias de base (mais de 80%)
-o atraso avassalador nas chamadas novas tecnologias da comunicação
-e aqui os individuos assumiram alguma importancia, em especial Gorbachev que precipitou tudo com a sua tentativa de abertura, mas a estrutura é que interessa,se não fosse com ele seia com outro, o sistema sovietico estava esgotado, e acabaria mais tarde ou mais cedo... foi mais cedo.
 
Só mais uma coisa, ficamos a pensar, ehehe...
o mais importante parece ser a estrutura do sistema internacional, e enquanto na guerra fria aconteceu uma bipolaridade simples, hoje isto anda muito à deriva, a superpotencia sobrante em vez de aglutinar, provoca um sistema de "todos contra um" que vai derivando em vários centros de poder sem uma estrutura estável (que seria uma multipolaridade); o actual sistema de vários pólos assimétricos e pouco estruturados desigaria por Poli-arquia.
Isso muda tudo...
 
Enviar um comentário

<< Home

Powered by Blogger