<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d11538882\x26blogName\x3dLa+force+des+choses\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLACK\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://scriptoriumciberico.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://scriptoriumciberico.blogspot.com/\x26vt\x3d-290933400104219020', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
La force des choses
3.11.06
 
À pedrada em nome de Deus


Li na Io e na At.
Apesar de alguém mais consciente ter congelado a lei, volta a ser confirmada uma pena de morte por lapidação a sete mulheres iranianas.

A pena de morte é um acto de vingança social sobre quem quebrou regras fundamentais (muitas vezes mitos construídos).
Nada legitima uma maioria a matar alguém, nem uma questão ética radical depende de legitimidades democráticas, mas seja como for, aqui pisam-se Direitos Humanos reconhecidos por todos os estados da ONU (incluindo os islâmicos, apesar das reticências, se não queriam não assinassem).

E como dizia uma das mulheres, não se trata só de matar, porque se fosse enforcada sufocava e pronto. Trata-se é de um sádismo medieval em nome de Deus (uma bruta blasfémia, digo eu que sou gajo do Livro), de uma tortura mortal armada em lei (lembrando mentalidades de fogueiras e progroms), de um mal social perpetrado por uns anormaloides sobre as mulheres que pisam o risco (curioso, que a lei abrange ambos os géneros, mas bate sempre nas mulheres).

Podem vir agora algumas criaturas mais maduras dizer que só estou a expressar o meu "anti-islamismo" e que a imagem é pura propaganda.
Digo que se for preciso queimar pessoas também serei anti-cristão, digo-vos que a propaganda não é mal nem é bem, é só um instrumento, e aqui muito bem aplicado: indignem-se!
Comments:
Muitíssimo bem aplicado.
 
Como não me indignar!?! Como não nos indignarmos!?! :(
 
E eu digo também contigo, indignada!, Grande Abraço para ti e toda a minha Solidariedade com as mulheres sujeitas a esta lei vergonhosa, IO.
 
estou indignada!!!...
 
Enviar um comentário

<< Home

Powered by Blogger