<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d11538882\x26blogName\x3dLa+force+des+choses\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLACK\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://scriptoriumciberico.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://scriptoriumciberico.blogspot.com/\x26vt\x3d-290933400104219020', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
La force des choses
23.5.06
 
Segundo elogio ao VPV

(pedindo licença ao Dragão e dedicadíssimo a Zazie :)

A grandeza do Homem está em ele ser uma ponte e não uma meta;
O que se pode amar no Homem é ser ele transição e perdição.
Amo os que só sabem viver com a condição de perecer, porque perecendo se superam.
Amo aqueles a quem enche um grande desprezo, pois trazem consigo o respeito supremo, são as flechas do desejo apontadas para a outra margem.
(Nietzsche, Assim Falava Zaratustra, Guimarães Editores, pág. 15)

Gosto de reconhecer méritos aos vitalismos insolentes com que o Vasco Polido Valente despreza as "pequenas regras" pelas quais os outros se regem;
Dá uma sensação de superioridade à minha rasteira medíocridade;
Vez Dionisius, Zazie?

Etiquetas: , ,


Comments:
De passagem, aproveito para fazer uma sugestão: devias ir ao "template", diminuir a largura da barra lateral (a dos "links"), diminuir a "font" dos "links" e aumentar o corpo do blogue. Em tempos, eu fiz isso, mas já não me lembra como se faz. Pelo menos, ficavas com mais espaço para fotografias largas,sem que resultasse no famigerado "buraco".
Preocupo-me porque estou em dívida. E também porque tens o bom gosto de ter um "template" igual ao meu, o que significa que tens o "template" mais digno, inteligente e louvável de toda a blogosfera. Os outros, todos eles, mesmo o da Zazie, em comparação, são duma pobreza confrangedora. Então, aqueles tods apaineleirados, cheios de luzinhas, rss e mais não sei que ciberbijuterias, nem comento. :O)

Ah, outra coisa: parabéns, reproduziste o trecho mais significativo de toda a obra nietzschiana. A chave do enigma. E da abóbada. Não confundir com a abóbora.
 
Obrigado Dragão, irmão de Template
Também gosto da simplicidade da coisa, mas confesso que em parte é por não saber mexer nisto; senão mudava alguma coisa (pouco).
O que mais gosto é o do "Barriga de um Arquitecto".
Já a Zazie, é original, mas tenho implicancias, letras muito piquininas e não percebo porquê mas custa-me sempre um tempão a aceder aquele blog. Enfim mas pra chegar à Zazie, vale a pena esperar, lol

Quanto ao Nietzsche, também confesso que, lá por soletrar a obra, não significa adesão; admiro o filósofo mas não me revejo na história toda.
Por um lado é mal compreendido, aí culpo-o (é como o VpV) quando se fala para todos e não se medem as palavras, sai asneira (exemplo a filosofia nazi);
Por outro lado, e peço desculpa pela arrogancia, mas acho que faltou acabar a reflexão;
Adiro à quebra das peias culturais, à desconstrução da "realidade" que imposta, à liberdade virginal do seu discurso;
Adiro à celebração da vida, ao vitalismo animal, e à valorização do instinto que são a nossa essencia.
Mas choco frontalmente no seu ataque ao espiritualismo, porque nem tudo é poder, nem tudo é decadencia; há amor verdadeiro no Cristianismo.
E ficou doido... eu prefiro Bergson.

Esclarecido o ponto, presto a homenagem ao desassombro...
Abraços Dragão (mas não me queimes :)
 
ahahahah o diabo do Dragão chegou primeiro que eu. Parabéns pelo texto.

É claro que o meu template é "apeneleirado" para rapaz e é verdade que estes e do timshel ou do Esplanar são templates verdadeiramente masculinos. Daquele género de quem não perde tempo a olhar muito para o espelho ou a escolher a fatiota.

Depois há os falsos templates masculinos dos estetas como o do Macguffin e do Vasco do Memória Inventada.
São bonitos até dizer chega e têm mais trabalho em parecer másculos que quem já os vai buscar feitos e sem paneleirices, como vocês.

Entre uns e outros o meu gosto balança

ahahaha

beijocas cbs
 
"Filosofia nazi" é um oximoro. Os tipos, quando ouviam falar em "filosofia", iam logo buscar os panzeres. :O)
Gosto pouco de adesivos: são uns emplastros. Mas lá por falares comigo não significa que fiques obrigado a vender-me a alma. Não ligues ao que os beatos dizem. São uns alarmistas. Regam muito. Vivem a sonhar incúbos e súcubos. Deixam-me as hostes derreadas, ultimamente quase tísicas.
Quanto a esse Bergson, deixas-me curioso... Fazia o quê? Tocava piano?...Pintava monos?... :O))
 
.)
Bergson? é o meu pai espiritual, lol
Foi prémio Nobel da Literatura em 1928
podes começar por esta síntese
http://www.vidaslusofonas.pt/henri_bergson.htm

ele disse tudo o que eu queria, mas não fui capaz de dizer
Nada (ou pouco) a ver com o Friedrich :)
 
É o teu pai espiritual?!! Sorte a tua.
Já eu sou órfão.
 
Ó Drag
eu tamém, ele já morreu pá
 
Caro Nibelungo,

Respondo-te aqui ao recado lá na espelunca.
Se queres falar dos grandes inspiradores do rapaz Hitler, esquece o Nietzsche. É preciso distorcer muito. Encontra-los, outrossim, e sobretudo, em Hegel e Darwin. Além de algum Idealismo Alemão (Fichte), mais a puxar ao nacionalismo místico.
Aliás, quando vires megalomanias totalitárias, vai logo direito ao Hegel. Não tem nada que enganar.

Quanto ao "misticismo cristão", entramos em terreno minado. Cristãos, tal qual chapéus, há muitos.
Estás a pensar em quê? - Mestre Eckhart?... Escoto Erígena?...

O misticismo cristão imbrica no neo-platonismo.O problema é que Hegel também. Donde que , a limite, o nazismo também. À sua maneira alucinada, Hitler também foi um místico cristão. Um milenarista, para sermos mais exactos. Não era mero folclore o facto de se considerar a si mesmo um enviado da Providência, quer dizer, um Messias. (Viste no que deu?)
A filosofia é fodida!

Se disseres a alguém que eu disse isto, eu nego.

Das Brunildes gosto. Todas as que encontrares, manda-mas!... :O)
 
Enviar um comentário

<< Home

Powered by Blogger