<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d11538882\x26blogName\x3dLa+force+des+choses\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLACK\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://scriptoriumciberico.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://scriptoriumciberico.blogspot.com/\x26vt\x3d-290933400104219020', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
La force des choses
13.4.06
 
Paixões volantes: os IMP


O Hilman IMP foi concebido na década de 50, por Tim Fry e Michael Parkes (engenheiro e piloto na Ferrari) para a Rootes, sendo produzido apartir de 1963 numa fábrica própria em Linwood na Escócia. Fabricaram-se 500.000 unidades até 1976.
Tratou-se da resposta Rootes ao sucesso do Mini da British Motor Corporation (BMC), concebido por Alec Issigonis, com tudo à frente (motor e tracção).
Os engenheiros da Rootes (subsidiária da Chrysler americana) inspirando-se no Corvair, apostaram num mini com tudo atrás.
Para isso compraram os direitos do Coventry Clímax (o pequeno motor de sucesso na fórmula um dos anos sessenta).
O resultado foi uma maravilha técnica (pioneira na época) de quatro cilindros num bloco em liga de alumínio (75%) com árvore de cames à cabeça, colocada na traseira com uma inclinação de 45º, e pesando apenas 77 kg (todo o conjunto motor).

O modelo inicial de 750cc com 55 cv, foi posteriormente aumentado para 998cc – práticamente um litro, que dava a bonita imagem de quatro equilibradas câmaras de 250cc em linha – e a versão de corrida chegava aos 110/ 115 cv às 8.500 rpm (ou mais um bocadito, ehehe).
Infelizmente, os Cooper entretanto passaram de 1.100cc para 1.300cc, tornando-se mais potentes e muito difíceis de bater.


Icy 1966 week end in Brands Hatch; na frente o Fraser Imp de Ray Calcutt e em quarto o Nathan IMPudence de Roger Nathan (na foto) em guerra com os Cooper S de Ian McDougal (Broadspeed) e Alan Harvey (Autocadia)


Comments:
Olha um carrito como o que a minha mãe me levava ao liceu!! - abraço, IO.
 
Tinha bom gosto a tua mamã :)
 
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
 
Enviar um comentário

<< Home

Powered by Blogger