<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d11538882\x26blogName\x3dLa+force+des+choses\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLACK\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://scriptoriumciberico.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://scriptoriumciberico.blogspot.com/\x26vt\x3d-290933400104219020', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
La force des choses
19.4.06
 
A Europa terá existido?

Nos textos gregos antigos, Europa aparece não apenas como um nome de um dos três continentes conhecidos mas, também esporadicamente, como Hellas, utilizado na distinção entre nós e eles, sendo eles os asiáticos, os bárbaros ou os persas.

Na peça “Os Persas”, Esquilo apresentou a guerra entre a Grécia e a Pérsia como um conflito entre a Europa e a Ásia.

Em Esquilo e Heródoto também a expressão de um contraste que viria a fazer uma longa carreira, o contraste entre o Oriente despótico e o Ocidente amante da liberdade; a noção ocidental do despotismo oriental.

Peter Burke, O Mundo como Teatro, 1992


Comments:
Visto assim, ou somos cultos ou as interpretações podem ser mais do que muitas....
 
Isto conduziu a uma visão particular, uma perspectiva "europeia" do mundo;
que primeiro se achou culta e superior, e depois compreendeu que há muitas culturas e que a noção de superior ou inferior é muito relativa (pelo menos a cada domínio) e desinteressante.

Mas o "nós" e "eles" é uma questão antropológica permanente, raíz, por exemplo, dos nacionalismos nascentes no seculo XIX.
 
“Se esta civilização europeia, do tal tipo de prever para poder, de pontualidade, de disciplina e de sacrifício, consentido ou não, de militar eficiência, sem a qual, como convém acentuar, teria sido impossível para a Humanidade qualquer progresso e qualquer esperança realizável de paraíso futuro, foi imposta a Portugal, como a outros países do Sul da Europa, e, por seu intermédio, imposta ao Brasil, não é de estranhar que, dados os antagonismos essenciais, ela funcione de modo pouco perfeito, principalmente pelo que respeita ao Brasil; a nossa imitação do europeu será sempre pobre em relação ao original: mas essa pobreza não é intrínseca; pelo contrário: o que é intrínseco é a riqueza de possibilidades na invenção do futuro. No fundo, funcionarmos mal, sob este critério europeu, é um atestado de vitalidade e a segurança de que o naufrágio da civilização europeia não nos arrastará consigo para os fundos oceânicos do esquecimento histórico”
Agostinho da Silva – Ensaio para uma Teoria do Brasil [1966].
http://www.agostinhodasilva.pt/Agostinho%20da%20Silva_antologia.pdf
 
Boa, boa Lusitano!
e muito acordo eu com o Agostinho :)
 
Enviar um comentário

<< Home

Powered by Blogger