<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d11538882\x26blogName\x3dLa+force+des+choses\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLACK\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://scriptoriumciberico.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://scriptoriumciberico.blogspot.com/\x26vt\x3d-290933400104219020', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
La force des choses
10.3.06
 
Le Pouvoir Royale


Surpreenderá alguns, mas o Presidente mais não é, do que o herdeiro do Rei.

Foi Benjamin Constant quem primeiro falou num quarto poder do Estado - o Pouvoir Royale - acrescentando aos três de Montesquieu.

Esse "poder moderador" garantiria estabilidade aos outros três (Executivo, Legislativo e Judicial), através do apaziguamento em caso (e só nesse caso) de crises institucionais graves.
Essa é a sua essência nas constituições portuguesas, a partir da revisão de Agosto de 1919; é a minha leitura também.
Finalmente, ao décimo oitavo depois de 1910, houve um presidente que interpretou isto assim: ser árbitro e garante das regras, apenas.

Nunca o votei, mas aprendi a gostar dele, e contas feitas, estou-lhe grato pela isenção e sentido de Estado que demonstrou.

Jorge Fernando Branco de Sampaio, foi o melhor presidente português que conheci e mostrou como se deve exercer a função.
A Anibal Cavaco Silva, desejo saúde, e que se oriente pelo espírito de Sampaio, não pelo da “soberania de influencia” de Soares.
E tenho dúvidas, confesso.

Agora vou ver se durmo…


Comments:
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
 
"Quem dá aquilo que tem, a mais não é obrigado".

Penso que Sampaio tentou fazer sempre o melhor que sabia.
 
Discordei dele com Santana (não lhe dava posse) e com o procurador (já devia estar demitido).
Mas dou-lhe o benefício da dúvida a Sampaio; como ele diz "gostava era de os ver aqui sentados".

Portugal é um país de treinadores de bancada, Lusitano :)
 
Enviar um comentário

<< Home

Powered by Blogger