<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d11538882\x26blogName\x3dLa+force+des+choses\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLACK\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://scriptoriumciberico.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://scriptoriumciberico.blogspot.com/\x26vt\x3d-290933400104219020', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
La force des choses
26.11.05
 
Innocence's Visibility

If we'd stop trying to be happy we could have a pretty good time

Podemos distinguir dois tipos de processos imaginativos:
- o que parte da imagem visual e chega à expressão verbal.
- e o que parte da palavra e chega à imagem visual.

…perguntemo-nos como se forma o imaginário de uma época em que a literatura já não faz referencia a uma autoridade ou a uma tradição como sua origem ou fim, mas sim toma como mira a novidade, a originalidade e a invenção.

Parece-me que nesta situação o problema da prioridade da imagem visual ou da expressão verbal (que é um tanto como o problema do ovo e da galinha) se inclina decididamente para o lado da imaginação visual.

Italo Calvino, Lezioni Americane – Sei proposte per il prossimo milennio

Comments:
Quem terá tido o pretty good time na foto?
Querer a "felicidade" é tão obsceno como a expressão da modelo... Quanto ao pretty good time, ele já é a regra de muitas relações humanas...
 
estas campanhas da Benetton são fortíssimas. Esta ainda não tinha visto...

quanto ao resto, o conceito comunicação absorve tudo, isto é todos os tipos de arte!!! a fronteira.... não sei bem... mas gosto destas alterações.

bj
 
Olá E-clair
quis mostrar o processo, usado na pub e nos jornais, da passagem da imagem ao texto e vice versa.
Na primeira, um texto do Pessoa lembrou-me a imagem da Tamara de Lempika.
Na segunda, no sentido inverso, a imagem da Benneton, lembrou-me o livro "the age of innocence" e usei uma frase da Edith Wharton, a autora.
É esta ligação texto-imagem (ilustração e legendagem)que Calvino designa por visibilidade.

abraço
 
Eu estou mais interessada na relação título-imagem-legenda... Mesmo sem palavras, a imagem chegaria perfeitamente para provocar interpretações cheias de... textos! Mas aquela legenda... continuo a perguntar a QUEM pertencerá o "good time", o que é esse "good time", qual o significado da substância cremosa e em formato de espermatozoide (2) que está perto da boca, e por que motivo a modelo tem aparência muito jovem e angelical e um ar levemente surpreendido?/neutro?/erótico?
O que nos dizem para ler é bastante óbvio embora escudado na possibilidade de ser "outra coisa", mas uma leitura mais atenta leva-me a perguntar o que quer a Benetton além de vender, vender, vender.
 
quase sempre temos esta divergenciazita: o que parece, é ou não é...acho que é sempre mais coisas, já sabes.
posto isto ;)

adiro ao texto abaixo (do Pessoa), e "desadiro" ao da Benneton (que só quer vender, chocalhando a "moral" instalada, penso eu simplisticamente) mas acho-o bom para ilustrar a crítica ao actual "império da imagem": a inocencia da superficialidade, o "good time" sem muita profundidade, pra não doer.
 
Qual texto do Pessoa?
Em que contexto/campanha aparece a imagem da benetton? Achas que ilustra uma crítica à superficialidade com aquela legenda? A modelo é (aparentemente, conscientemente) tão jovem e tem um olhar tão inocente, quase de criança -- é aí que bate a minha interpretação...uma Lolita involuntária e quase inconsciente do mundo (masculino) que a concebe para ilustrar... o quê?!
Agora, o jogo também é o de tornar cúmplice o olhar interpretativo que é "forçado" a reconhecer textura e forma da substância não identificada: a "culpa" é partilhada porque intenção e olhar coincidem.
Que distância da campanha "Got milk?" para promover o consumo de leite... essa sim, um espanto do poder da imagem para contar histórias: os bigodes de leite mais bem concebidos que já vi...
 
este texto do Pessoa:
"Quanto mais desço em mim.
Mais subo em Deus."
sugeriu-me a imagem da Tamara que o acompanha.

A imagem da Benneton sugeriu-me a frase de "the age of innocence" da Edith Wharton.

Mainada :)

Mas vejo que agora és tu que vês para além do que lá está (ou parece estar).
Sim, aceito que a "culpa" é partilhada entre o emissor e o receptor, porque é condição terem o mesmo código, senão a mensagem não passava.
Mas o apontamento "inocência-superficialidade" é meu, não deles. Eles só querem vender a imagem, a quem a quiser engolir.
 
Enviar um comentário

<< Home

Powered by Blogger