<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d11538882\x26blogName\x3dLa+force+des+choses\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLACK\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://scriptoriumciberico.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://scriptoriumciberico.blogspot.com/\x26vt\x3d-290933400104219020', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
La force des choses
7.11.05
 
Da obsessão pela morte

Parto do princípio de que o desenvolvimento humano pode tomar dois rumos fundamentalmente distintos.
O que cria um interior que comunica com o mundo exterior, ou o que leva a uma personalidade condicionada pelo exterior e que renunciou ao interior pessoal.

Se um desenvolvimento condicionado pelo exterior conhecer apenas a obediencia e o conformismo, e já não a dor, o comportamento destrutivo é o ponto de chegada "natural".
A decisão entre um desenvolvimento para dentro ou para fora não explica só as duas vias distintas da auto-organização pessoal.
Conduz também a duas realidades diametralmente opostas: a realidade do poder e a realidade do amor.

Uma pessoa que suprimiu as suas capacidades empáticas vai parar quase obrigatóriamente a uma obsessão pela morte.

(Arno Gruen, "A loucura da normalidade" 1995)


Comments:
a qual pertences?
 
és tramado Ernestinho, lol

mas digo:
toda a vida tem sido a tentativa de me superar, de trepar para o lado do "amor";
e toda a vida tem sido um escorregar de novo para esgoto que o realismo designa por "poder".
Poder frustrado, ainda por cima.

E provávelmente antes de chegar lá acima, alguém me vai puxar o autoclismo.

Contente?
:)
 
aceito o meu destino, e susurro-te: sou daqueles que constrói pelo interior...


já devias ter reparado, se lesses a cantina com olhos de ler :-)
 
:)
Também aceito o destino, não emzango com ele.
Mas de vez em quando tento, e às vezes até o transformo.

E também tens razão, devia estar mais atento ao ler, mas porque tenho pouco tempo, sou muitas vezes superficial.
Aceito
:)
 
acho muito interessante a questão da decisão. Penso que é como tudo, decidimos ficar aborrecidos, decidimos não gostar, decidimos fazer birra, decidimos magoar, e por aí fora, podemos sempre decidir de outra maneira...
 
Por isso o Jean dizia que estamos condenados à liberdade ;)
 
Enviar um comentário

<< Home

Powered by Blogger