<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d11538882\x26blogName\x3dLa+force+des+choses\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLACK\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://scriptoriumciberico.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://scriptoriumciberico.blogspot.com/\x26vt\x3d-290933400104219020', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
La force des choses
6.8.05
 
Traveller’s tales: Pulsar

Bret Little / Space.com

A impressionante explosão de uma Super nova ejecta para o espaço a maior parte da matéria estelar percursora.
O que resta é um núcleo de neutrões quentes, ligados entre si pelas forças nucleares, um núcleo atómico maciço, um sol com 30 km de diâmetro, minúsculo fragmento estelar, encolhido, denso, mirrado, uma estrela de neutrões em rápida rotação.


A estrela de neutrões no centro da nebulosa do Caranguejo é um imenso núcleo atómico, mais ou menos do tamanho de Manhattan, com trinta rotações por segundo.

Os electrões do campo magnético rotativo emitem feixes de radiação, não só em frequências rádio mas também em luz visível.
Se a Terra ficar, por acaso, no caminho do feixe de raios desse farol cósmico, vemo-lo brilhar em cada rotação.
Pulsando e tiquetaqueando como um metrónomo cósmico, os pulsares medem o tempo muitíssimo melhor que o mais exacto dos relógios vulgares.

Carl Sagan, Cosmos 1980

Etiquetas:


Comments: Enviar um comentário

<< Home

Powered by Blogger