<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d11538882\x26blogName\x3dLa+force+des+choses\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLACK\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://scriptoriumciberico.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://scriptoriumciberico.blogspot.com/\x26vt\x3d-290933400104219020', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
La force des choses
3.8.05
 
Cosmos 5: One voice in the Cosmic Fugue


Todos os seres orgânicos que já vivem sobre a Terra descendem provavelmente de uma única forma primordial, na qual a vida foi insuflada pela primeira vez.
Há grandeza nesta visão da vida, que diz que, enquanto este planeta foi girando de acordo com a lei imutável da gravidade, um sem número de formas, belas e fascinantes, evoluíram e continuem a evoluir.

(Charles Darwin, A origem das espécies, 1859)


Cada sistema estelar é uma ilha no espaço, afastada dos seus vizinhos pelos anos-luz.

Imagino criaturas a despertar para os primeiros vislumbres de conhecimento em inúmeros mundos, todas elas partindo do princípio de que o seu planeta insignificante e um punhado de sóis desprezíveis são tudo o que existe.
Crescemos no isolamento.
Apenas lentamente aprendemos a conhecer o Cosmos.


Até agora só ouvimos a voz da vida num pequeno planeta.
Mas pelo menos, começámos finalmente à escuta de outras vozes na grande sinfonia cósmica


Carl Sagan, Cosmos (1980)

Etiquetas:


Comments:
Retenho «a procura», «a busca» do homem no Cosmo, que é também minha, e gosto desta frase final do post: «Mas pelo menos, começámos finalmente à escuta de outras vozes na grande sinfonia cósmica.»
Abraço.
 
Enviar um comentário

<< Home

Powered by Blogger