<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d11538882\x26blogName\x3dLa+force+des+choses\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLACK\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://scriptoriumciberico.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://scriptoriumciberico.blogspot.com/\x26vt\x3d-290933400104219020', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
La force des choses
11.5.05
 
Opinião

Example R.Smith


A identidade e a modernidade versus tradição são assuntos que me fascinam e sobre os quais tenho lido algumas coisas. Destas leituras retirei, que cada ser humano tem múltiplas identidades (parentesco, culturais, institucionais, ideologias, religiosas, etc.) que podem competir ou reforçarem-se. É em nome destas identidades que se construem guerras, e é em função delas que se alicerçam as fidelidades básicas: nós contra os outros, leia-se religião, raça, etnia e nacionalidade. Isto é especialmente verdade, se tivermos em conta, os conflitos em África.

Constatei, curiosamente, que a única vitória da crise do Iraque foi a mobilização internacional contra a intervenção Americana. De um momento para o outro, o mundo deixou de estar dividido pelas identidades ocidental e oriental, cristãos e mulçumanos, árabes e europeus. Ficamos unidos pela nossa humanidade , ou seja, ficamos a saber que somos seres humanos e essa é a identidade maior.

Afinal Gunther Grass tem razão quando diz que “A maior obrigação do ser humano é não ficar calado”

Etiquetas:


Comments:
E mesmo que fique calado, o ser humano, Castor, que permaneça em protesto!

Quanto à matéria identitária: por norma flutuante, mas convicta, prefiro esticar o conceito e reconfigurá-lo num outro bem mais complexo: Identificação.
As Identidades dando lugar às Identificações sempre em curso.
 
Mas há identificações estruturais e há identificações conjunturais, estas últimas muito mais voláteis.

A Humanidade é realmente a mais identidade profunda, mas esquecida em prol de identificações tantas vezes tão fúteis como mesquinhas.
 
Não posso contrariar o anónimo em cima, mesmo que me custe não contrariar a sua não-identificação. Essa sim, parece-me um pouco fútil, porque nega a identidade mais simples: escrever o nome, porque não?
Entretanto, concordo consigo relativamente à sua primeira frase (não penso que eu tenha dito algo em contrário)... o seu remate é que me pareceu um pouco embrulhado.
Um abraço e obrigada pela contra-argumentação. O La Force des Choses, como todos os bons blogues, valem por isto.
 
ai que hipocrisia! sandra, desiludes-me.
 
Enviar um comentário

<< Home

Powered by Blogger