<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d11538882\x26blogName\x3dLa+force+des+choses\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLACK\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://scriptoriumciberico.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://scriptoriumciberico.blogspot.com/\x26vt\x3d-290933400104219020', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
La force des choses
28.7.07
 
Rosso corsa
375 MM Pininfarina
Como se sabe, é prémio de mártir um harém com 72 virgens, o qual poderá ser reclamado no ministério da solidariedade divina, após a chegada ao Céu.
Eu creio já ter padecido o suficiente neste vale do mundo, para merecer a categoria de mártir, mesmo que no fundo da carreira.
Agora, virgens por virgens, não têm que ser gajas, pois não?
Num dos meus sonos fui-me até Deus e disse-lhe: Meu Pai, quando eu cá chegar, gostava de levantar o prémio das virgens, mas não em gajas por favor!...
É que meu Pai, gajas foi precisamente o que me deste por martírio, e não tou a ver como pode um novo martírio desses ser prémio.
Vinha pedir-Te por isso, e se não for pedir muito, que trocasses por lindas Ferraris a estrear… já agora com uma estrada cheia de curvas - um circuito de montanha era ideal - onde pudessemos acelerar.
O Pai do Céu, que me ama muito, acedeu. Quando me chamar, ficou garantido que terei à espera 72 red hot girls novinhas, e seremos felizes para sempre pelos campos celestes fora.
Revelando as belezas que o Deus tem para mim, no dia da ventura final,
aqui vão as primeiras dez das setenta e duas prometidas :)

Esta é a 166 Inter de 1948, a primeira beleza “civil” produzida pela Ferrari, com pouco mais de trinta unidades. Deriva directamente do 125, o primeiro carro de competição, utilizando o V12 de Gioacchino Colombo e um chassis superlegero de Aurelio Lampredi. Nunca percebi se o nome Inter é uma homenagem à Taça Intereuropa vencida em Monza, ou à Scuderia Inter com que corriam na época.

A bela máquina lá no topo (375 MM coupé de Pininfarina) comemora a vitória nas Mille Miglia e utiliza o V12 F1 (1951) de Lampredi. Uma das primeiras Ferrari vestidas na melhor casa de Turim.
A bela máquina de baixo (166 spider de Vignale 1953) teve como base o modelo de 1949, mas com um motor de 2 litros de 160 cv (em vez do 1.5 de 140 cv).
Correram nas famosas 24H de Le Mans, nos 1000 km de Nurburgring, na Panamericana, com grandes nomes, como Farina e Ascari.


166 spider de Vignale
Quem não gosta das minhas virgens com mais de sessenta anos?


Comments:
«É que meu Pai, gajas foi precisamente o que me deste por martírio, e não tou a ver como pode um novo martírio desses ser prémio.
»

lol
 
é uma coisa que sempre me intrigou, naquela mania árabe das 72 gajas, aliás, se abstrairmos da javárdica utilização de pessoas como coisas, os haréns são invenções de doido rico.
E depois virgens... pra kéke aqueles gajos querem virgens? andavam era na pedofilia e ninguém lhes dizia nada.

abraço Lutz
 
Eh! Eh! São giras, sim senhor!

***
 
que belas maquinas...
quero dus ou três, faxabor!
 
Enviar um comentário

<< Home

Powered by Blogger