<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d11538882\x26blogName\x3dLa+force+des+choses\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLACK\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://scriptoriumciberico.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://scriptoriumciberico.blogspot.com/\x26vt\x3d-290933400104219020', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
La force des choses
23.6.07
 
Da Geopolítica

O novo recorte geopolítico mundial decorre dos efeitos provocados por dois acontecimentos “detonadores” – o final da Guerra Fria e o onze de Setembro – e por um outro “revelador” – a crise iraquiana, num contexto fortemente marcado pela emergência das ameaças assimétricas e pela tentativa de se estabelecerem novas estratégias para lhes fazer face.

Os “detonadores” produziram profundas mutações no sistema internacional e conduziram a alterações substanciais na estrutura de poder mundial, na medida em que ambos foram aproveitados pelos Estados Unidos como oportunidades para expandirem o seu alcance estratégico.
Porém, se as relações da super potencia com a Rússia e com a China melhoraram de forma significativa na sequencia da tragédia dos atentados de onze de Setembro e da “guerra contra o terror”, nas relações transatlânticas regista-se um movimento inverso, em virtude do agravamento das divergências sobre as estratégias adequadas para enfrentar as novas ameaças.

A crise em torno da intervenção militar no Iraque foi, sobretudo, um “revelador” dessas desavenças entre americanos e europeus.
A nova ordem internacional é actualmente caracterizada por um modelo híbrido, complexo e original na estrutura de poder mundial que podemos designar por uni-multipolar, e pela coexistência de dois vastos movimentos geopolíticos e geostratégicos: por um lado, a guerra mundial “contra o terror” e, por outro, o jogo de “contenções mútuas e múltiplas” entre a pressão hegemónica dos EUA e os que se batem (EU, Rússia e China) no sentido de conter ou mesmo contrariar essa hegemonia.

(Luís L. Tomé, Novo recorte geopolítico mundial, UAL 2004, texto da contracapa deste excelente livro)


Comments: Enviar um comentário

<< Home

Powered by Blogger