<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d11538882\x26blogName\x3dLa+force+des+choses\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLACK\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://scriptoriumciberico.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://scriptoriumciberico.blogspot.com/\x26vt\x3d-290933400104219020', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
La force des choses
19.5.07
 
O melhor
Já que quantidade (títulos e corridas ganhas) não é sinónimo de qualidade, se Schumi foi o maior, outro terá sido o melhor.
Ayrton Senna da Silva, um brasileiro de sorriso triste, é esse que é hoje universalmente considerado o melhor piloto de todos os tempos.
Não por mim, que sem lhe tirar o valor, já cá ando desde os tempos do grande mago de Mantua (Nuvolari). Mas mesmo eu, estou certo que Ayrton está no podium dos três ou quatro melhores de sempre... saber qual o do topo já é discutível.


Iniciou-se na F1 em 1984 na Toleman.
Campeão do Mundo três vezes com a Mc Laren (1988, 90, 91), com 64 poles e 41 vitórias em G.P.
Ayrton Senna morreu como viveu: na frente de um Grand Prix.

Aquela fragilidade, simultâneament tão humana e tão esotérica, aliada a uma fulgurante rapidez, quase surreal, gerou para sempre um carinho especial do público. Como falar então, objectiva e serenamente, de um homem a quem a morte precoce transformou num mito?

No dia 1 de Maio de 1994 no início da tarde, em todo o mundo, muitas gente começou a chorar como se tivessem perdido um ente querido.
O desaparecimento em 1968 de Jim Clark, que foi o Senna da sua época, não teve mais que umas linhas nos jornais. Recebi essa noticia pelo telefone… e dessa vez chorei eu.
Mas no nosso tempo a formula um transformou-se numa espécie de telenovela planetária; Senna matou-se em directo perante centenas de milhões de telespectadores.

Em 1985 venceu o primeiro Grand Prix em Portugal.

Ninguém conseguiu acompanhar o Lotus negro dourado na chuva do Estoril.
Colin Chapman disse que “quando ganhas o teu primeiro Grande Prémio, todos ficam logo teus amigos; mas quando ganhas o segundo, todos te passam a olhar como um rival”.
Senna tinha todos os talentos, menos um: não se sabia defender. E os adversários perceberam isso.
Quando Piquet largou, antes do GP do Brasil 1987, aquela tirada que ficou famosa, sobre Senna não gostar de mulheres, tentava desestabilizar o homem que lhe seria muito difícil de bater em pista.
E como respondeu Senna? Corou, balbuciou umas palavras imcompreensíveis, confusas, dizendo que Piquet era um bom camarada, ou algo semelhante.

Senna perdeu.
Comments:
só mesmo um top ten e não chegava...
 
quanto ao post: tal e qual. O Senna e aquele McLaren... genial, brutal, memorável... aquelas voltas em Suzuka e no Mónaco... eu que tinha uns 4/5 anos nesses anos, naturalmente não me lembro vivamente, mas são as minhas primeiras memórias: a chuva em Suzuka e a água levantada e a luz vermelha na traseira... no 1 de Maio de 1994 fiquei horas sem falar...
 
Nuno
mas a imagem de cima é do Lotus na chuva do estoril, a primeira vitória.
 
sim, sim, eu sei... eu falava era das minhas memórias do senna :P a de suzuka na chuva é a mais antiga. aquela chuva no estoril lembrou-me, apenas isso :D
 
Enviar um comentário

<< Home

Powered by Blogger