<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d11538882\x26blogName\x3dLa+force+des+choses\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLACK\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://scriptoriumciberico.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://scriptoriumciberico.blogspot.com/\x26vt\x3d-290933400104219020', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
La force des choses
3.5.07
 
O Círculo Oglala: fusão do existencial com o normativo

Os Sioux Oglala (índios norte americanos) acreditavam que o Círculo é sagrado porque o Grande Espírito fez com que tudo na Natureza fosse redondo, excepto as pedras.
A pedra é a ferramenta da destruição.
O Sol e o Céu, a Terra e a Lua são redondos como um escudo, embora o Céu seja fundo como uma tigela.
Tudo o que respira é redondo, como o caule de uma planta.
Uma vez que o Grande Espírito fez tudo redondo, a Humanidade devia olhar o Círculo como sagrado, pois ele é o símbolo de todas as coisas da Natureza, excepto a pedra.
É também o Círculo que forma o limite do Mundo e, portanto, dos quatro ventos que viajam por lá. Consequentemente, ele é também o símbolo do ano.
O Dia, a Noite e a Lua percorrem o Céu num círculo, portanto o Círculo é o símbolo de todo o Tempo.

É por essas razões que os Oglala faziam os seus tipis (abrigos) circulares, faziam os seus acampamentos em círculo, e se sentavam em círculo em todas as cerimónias.
Se alguém fazia um círculo como ornamento e não o dividia de nenhuma forma, devemos compreendê-lo como o símbolo do Mundo e do Tempo.

Eis aqui uma subtil formulação da relação entre o Bem e o Mal e da sua fundamentação na própria natureza da Realidade.
O Círculo e a forma excêntrica, o Sol e a pedra, o Abrigo e a guerra, são segregados aos pares, em disjunções, cujo significado é estético, moral (normativo) e ontológico (existencial).

P. Radin, Primitive Man as a Philosopher – New York 1957

Comments: Enviar um comentário

<< Home

Powered by Blogger