<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d11538882\x26blogName\x3dLa+force+des+choses\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLACK\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://scriptoriumciberico.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://scriptoriumciberico.blogspot.com/\x26vt\x3d-290933400104219020', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
La force des choses
14.5.07
 
Contra o Céu

Não compreendo os astrónomos.
Como é que nenhum deles fica doido nem se suicida?
Imagino que são homens sem fantasia e dignidade, incapazes de sentir o insulto permanente das constelações refugiadas no fundo dos desertos do espaço.

Mas um homem autêntico não pode experimentar, ante a voragem esparsa dos fogos errantes, senão ira ou terror.
O Céu tem influência sobre mim e nunca poderei ter sobre ele.
Se o contemplo amesquinha-me; se o ignoro, castiga-me.
Tem uma vida sua, misteriosa e solene, que não consigo, de forma alguma, turbar ou mudar.
Inspira-me, contra minha vontade, pensamentos mortificantes que me maltratam, me deprimem e me tiram a coragem de viver.
Por isso, prefiro não o ver.
Agradam-me as regiões e as estações em que o Céu está sempre encoberto, onde a noite é muda e total e a gente se sente sob uma colcha próxima de névoa familiar.

Os poetas, idiotas como crianças, extasiam-se diante dos vaga lumes errantes do Infinito.
Para mim, que não sou versificador nem místico, o Céu é apenas o velório sinistro onde leio todas as noites a sentença da minha fortuna de desgraça.

Sinto, como uma enchente de maré, o desejo de alcançar o apeadeiro, o apeadeiro que finalmente, me irá resgatar a esta irremediável nulidade.

aldrabado apartir de Giovanni Papini, Gog, 1945


Comments:
:)
 
Enviar um comentário

<< Home

Powered by Blogger