<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d11538882\x26blogName\x3dLa+force+des+choses\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLACK\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://scriptoriumciberico.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://scriptoriumciberico.blogspot.com/\x26vt\x3d-290933400104219020', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
La force des choses
6.3.07
 
Os Jogos de Deus, uma herança do século XX
A segunda metade do século XX introduziu nas equações de poder entre as nações dois factores de impacto decisivo (hoje aparece em força um outro, a Informação): a Matemática (teoria dos jogos) e a Física Atómica (energia nuclear).
Felizmente a humanidade, isto é o medo, dos líderes de ambos os lados, susteve o ímpeto mecanicista da loucura, patente nessas crises do séc. XX, em particular na crise de Cuba em 1962.

Mas hoje, no dealbar do novo século, mantemos a herança das armas nucleares e da razão cega... para pensar o impensável.
O resto da História vai depender da forma que os actores na cena internacional (onde se inclui a nova potencia difusa mas eficaz que designamos genericamente por Terrorismo Internacional), encontrarem para gerir e se adaptarem este poder novo, que cada vez mais se assemelha a um poder divino (absoluto), porque pode simplesmente levar ao fim da História (não a da teleologia de Francis Fukuyama).
O carácter supostamente provisório da dissuasão nuclear tem acabado por se desvanecer porque é hoje cada vez mais claro que enquanto existirem armas nucleares terá sempre que haver algum nível de dissuasão nuclear, sendo ela imoral ou não.

A questão que fica entre a Comunidade Internacional, é se este equilíbrio do terror do século XXI, se conseguirá manter sem a eclosão de uma guerra nuclear, que poderia levar à total inversão dos equilíbrios vigentes e até ao fim da civilização como a conhecemos.
É opinião do gen. Loureiro dos Santos, que só após um período de proliferação nuclear com estados como o Irão, Arábia Saudita e Egipto a adquirirem capacidade nuclear, só aí, perante o medo, se reduzirão definitivamente a mínimos de sensatez, os arsenais nucleares do mundo.
Queira Deus que não seja preciso mais uma Hiroxima para se arrepiar caminho.

(este post é uma memória. uma memória de um par de noites sem dormir :)
Comments: Enviar um comentário

<< Home

Powered by Blogger