<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d11538882\x26blogName\x3dLa+force+des+choses\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLACK\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://scriptoriumciberico.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://scriptoriumciberico.blogspot.com/\x26vt\x3d-290933400104219020', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
La force des choses
8.3.07
 
Os Jogos de Deus: o factor nuclear

A bomba atómica teve cinco importantes consequências políticas:

1. Restaurou o conceito de guerra limitada.

A meio do século XX, os analistas referiam-se-lhe como o “século da guerra total”. Mas na segunda metade do século, as guerras assemelharam-se mais às antigas guerras dos séculos XVIII e XIX.

2. As crises substituíram a guerra total como momento da verdade.

No passado a guerra era o momento em que todas as cartas eram viradas sobre a mesa. Mas na era nuclear, a guerra seria tão devastadora que os momentos de verdade se tornaram raros.
A crise de Berlim e a crise de Cuba foram os dois principais momentos de verdade e desempenharam o equivalente funcional da guerra, dando para estabelecer a correlação de forças.


3. As armas nucleares tornaram a dissuasão (desencorajamento pelo medo) a estratégia central.


4. O desenvolvimento da prudência efectiva pelas duas superpotencias.
Apesar das divergências profundas, desenvolveu-se uma estratégia na base do interesse vital comum: evitar a guerra nuclear.
Após a crise cubana dos mísseis as superpotencias aprenderam finalmente o valor da comunicação (a linha directa) e da confiança (os tratados de controlo de armamento)

5. As armas nucleares transformaram-se num preconceito estratégico, porque a maioria dos militares não considerava realista a sua utilização, não só devido ao potencial de destruição, mas também pelo estigma de imoralidade: estas armas entraram no domínio do inaceitável, do inumano.


Comments: Enviar um comentário

<< Home

Powered by Blogger