<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d11538882\x26blogName\x3dLa+force+des+choses\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLACK\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://scriptoriumciberico.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://scriptoriumciberico.blogspot.com/\x26vt\x3d-290933400104219020', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
La force des choses
27.3.07
 
A Nação das nações 2

Que restou da Europa histórica? que é que resta desse complexo policêntrico, geo-histórico, civilizacional, cultural, que só pôde existir através de conflitos mas em comunicação, na resistência a hegemonias políticas e culturais?

Resta a riquíssima diversidade das culturas transnacionais (germânicas, latinas, eslavas) e das culturas nacionais, marcadas cada por uma língua original.
Resta também uma extraordinária variedade de micro culturas, fruto da textura micro-étnica da Europa depois das invasões, riquezas salvas pelas falhas nas unidades nacionais, mesmo nas mais antigas nações, como a França e a Inglaterra.

Mas só essa diversidade, essa pluralidade, é que são europeias?
Não existirá também um fundamento, uma unidade, um princípio de ordem e de organização, que responda à nossa necessidade de hoje?
Ora o fundamento da Europa é a perda dos fundamentos (o Império, o Mediterrâneo, a Cristandade); a ordem da Europa só foi própria numa certa anarquia eco-organizada e nunca existiu como organização superior dos seus constituintes.
Daí o problema literalmente desconcertante que se põe: procurar no presente e não no passado o princípio da organização europeia.
Mas para isso, podemos recorrer ao princípio histórico que liga a identidade europeia ao devir e á metamorfose.

De facto a exigência vital de salvar a sua identidade, requer uma nova metamorfose da Europa.
apartir de Edgar Morin, Pensar a Europa

PS: complementa as postas aqui , aqui , aqui , aqui , aqui e aqui , ufff!


Comments:
Mais dois 'posts' que te agradeço!, abraço, IO.
 
Enviar um comentário

<< Home

Powered by Blogger