<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d11538882\x26blogName\x3dLa+force+des+choses\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLACK\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://scriptoriumciberico.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://scriptoriumciberico.blogspot.com/\x26vt\x3d-290933400104219020', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
La force des choses
2.3.07
 
Da economia da verdade IV

Será a verdade num casal um instrumento de tortura?
Será a mentira uma condição de sobrevivência?
Tal e qual assim, isto não tem sentido porque a mentira depende da verdade que existe num casal.
O totalmente falso é tão inconcebível quanto o totalmente verdadeiro.
Cada casal decide implicitamente tanto a parte de verdade, como a parte de mentira que é capaz de suportar... pelo menos, eu sou assim.

Comments:
saõ partes do mesmo bolo.


cada um come a fatia que mais lhe aprouver...

já eu costumo tirar fatias bem grandes... antes um peso no estômago que um peso na consciência.
 
Pois...
Se calhar é isso mesmo!
Implicitamente decidir até onde chega cada bocado do mesmo todo.

Boa!
Depois ainda dizem que idade não ajuda!!! tsctsctsc!!! esses 104 (ou 105? nunca me lembro bem...) são bem sábios, cbs, bem sábios!
;)
 
Ivan
de acordo...melhor é cuidar a consciencia.

Maria
tava a ver que não havia um ponto comum, uf!
é muito fácil ser mal interpretado quando se põem em causa verdadeiros arquétipos morais, como este da verdade e da mentira, sua irmã.
Para mais num cristão.

Mas a experiencia vivida não coincide com a teoria... e de facto, muitas vezes, as chamadas verdades causam danos não só desnecessários como inaceitáveis na minha opinião.
Desconfio de perfeitos absolutos, e só conheço um: Deus.

Na vida terrena, deparei com Psis (gente curiosa, por sinal) que me puseram a cabeça à roda, a conceptuar, evitando influencias de pré-conceitos.
Concluí que nas relações entre pessoas há que procurar o equilíbrio da verdade possivel.
Se a confiança é "total", a verdade pode ser "total"... se bem que como disseste, a gente vai mudando.
Mas se me deparo com reservas, então é melhor estar atento ao caminho, não vá cair nalgum buraco e morrer destapado :)

Acresce em termos políticos, que na época das "transparencias" em que boiamos, com muitas verdades parciais se vão dizendo grandes mentiras;
quanto mais quantidade de informação maior a possibilidade de manipulação... vivemos um tempo da sedução como nunca houve;
e qual é a essencia da sedução?
 
Essa de Psis serem gente curiosa agrada-me! ahahah... Obrigadinha!

Bom, quanto à essencia da sedução... ora! Até essa não será una. Quero dizer: aquilo que seduz uns pode ser perfeitamente banal e desinteressante para tantos outros... por exemplo como o que acontece com a beleza e a apreciação do belo. Com a sedução a coisa deve ser tão (ou mais) variável.
É bem verdade que este tempo de informação a rodos, de meias verdades ou verdades só aos pinguinhos, é caminho aberto (ainda que, a dado passo, potencialmente sinuosos) de sedução garantida...
A verdade na mentira e as mentiras que se escondem em verdades bem urdidas... sei lá! Sei é que este tempo, sim, da tal informação a pairar por aí, em qualquer lugar e "acessível" sem grande custo, acaba por desvirtuar a verdadeira verdade por, talvez, essa ser tão terrivelmente complicada/complexa que andamos facilmente a cair em engodos frequentes. Não?
Por acaso nem sei se concorde com o que ali escrevi... quer dizer, nunca tinha pensado "a" verdade como coisa complexa, quanto mais complicada e, lá está, ali atrás acabei de a adjectivar assim... não é dessa maneira que a penso (sim, à verdade!) acho sempre que é a via mais fácil e a mais completa, a mais segura... pelo menos a fase exacta em que se "passa" a verdade (seja ela em relação ao que for!) depois é que é preciso ver até onde é que essa nos leva e/ou o que é percebido a partir do modo (e dos termos, talvez) em que expressamos "essa" verdade...

uhm... é um bocadito tarde para andar aqui a deixar-me escrever sem rede... ainda por cima depois de ter passado o dia às voltas com histórias de vida, isto dá conversa que nunca mais acaba... volto cá amanhã. (até para ver se não me contrariei em frases seguidas ou se ainda consigo explicar o que disse e como escrevi o que pretendia dizer... sim, que o grande ónus da verdade -da verdade de cada um e de como essa se relata - deve ser mesmo o modo como pelos outros é percebida, não?...)

ui! Chega! volto mais tarde! vou à nausea ali em cima! :)
 
Enviar um comentário

<< Home

Powered by Blogger