<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d11538882\x26blogName\x3dLa+force+des+choses\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLACK\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://scriptoriumciberico.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://scriptoriumciberico.blogspot.com/\x26vt\x3d-290933400104219020', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
La force des choses
9.2.07
 
Argumentação imagética sobre o aborto

A capacidade de raciocínio abstracto, é alterada pelas imagens que nele interferem, por evocarem sistemas de significações.
Há quem escolha imagens fetais dramáticas.
Eu escolho esta...

Comments:
Este comentário foi removido pelo autor.
 
:)
Pois é uma grande e clara imagem...





[Extra e fora de campo:
Quanto a E. de Q. ... ;) uma "Prosa(s) (quase) Bárbara(s)"! que me soube tão bem ler!! por conhecer a sintomatologia e ainda não saber a cura.]
 
E quem é que defende isto?
 
E não deixa de ter graça utilizar uma argumentação dos anos '50.
Nada mudou desde então, pois não? (invenção e banalização dos contraceptivos, planeamento familiar gratuito, educação sexual nas escolas, avanço dos meios tecnológicos, pílula do dia seguinte, etc, etc.)
Esqueceste-te das agulhas de crochet e dos cabides, ó cbs!

E as " imagens fetais" (porquê dramáticas? o aborto legalizado, afinal, também é dramático? Pensei que o problema era só por ser "clandestino") não mudam nada com a lei, com excepção do seu número: vão aumentar.
 
A imagem podia ser actual, há médicos que o dizem.
Achas que não acontece aquilo, até com o aborto quimico?

Tudo isto é dramático, mas como sabes é diferente ter cuidados hospitalares ou ser feito por parteiras. mas não sei, quanto a isto talvez tenha ficado pelos anos 50.

Apenas desejo que, se a vontade da mulher não puder ser demovida, que ser o seja num hospital com a dignidade de pessoa e não de criminosa. O mesmo penso em relação ao suicidio assistido já agora.

Não sei, nem me dei ao trabalho de comparar numeros, mas suponho que legalizando o aborto, se reduz o clandestino, aumenta o legalizado não é?
Talvez aconteçam também, menos mortes e estropiamentos uterinos, penso eu...
 
Enviar um comentário

<< Home

Powered by Blogger