<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d11538882\x26blogName\x3dLa+force+des+choses\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLACK\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://scriptoriumciberico.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://scriptoriumciberico.blogspot.com/\x26vt\x3d-290933400104219020', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
La force des choses
28.11.06
 
Do pó e da lama…

Entre 1955 e 1965 disputou-se em Portugal um Campeonato Nacional de Condutores que englobava provas de estrada e de velocidade.
A partir de 1966 esta competição foi dividida em dois campeonatos nacionais distintos: o de ralis e o de velocidade.

Um dos períodos mais interessantes do Campeonato Nacional de Ralis foi precisamente o dos anos pioneiros entre 1966 e 1973, quando se passou de um espírito amador à semi-profissionalização que caracterizou as épocas de 1972 e 1973, onde as equipas oficiais dos importadores das marcas começaram a impor a sua força.
De facto, estas passaram a dominar uma grande parte das provas disputadas, malgrado a forte oposição de alguns pilotos privados, muitas vezes integrados em equipas bem estruturadas como o Team Vip.

Este movimento crescente foi suspenso no final de 1973, com a crise do petróleo consequente da guerra israelo-árabe do Yon Kippur e da revolução de Abril. Em 1974 apenas se disputaram o TAP, a Volta a Portugal e a Volta à Madeira com combustível oferecido pela Venezuela.
Quando o CNR foi retomado em 1975, já nada era como até então, pois as equipas dos importadores tinham desaparecido e alguns dos pilotos desta geração, optaram pura e simplesmente pelo afastamento da vida desportiva.
(Ricardo Grilo)

Campeões Nacionais de Rali
1966
Turismo: Manuel Gião (Austin Cooper S)
Grande Turismo: Américo Nunes (Porsche 356)
1967
Turismo: César Torres (Austin Cooper S)
Grande Turismo: Américo Nunes (Porsche 911 S)
1968
Turismo: Heitor Morais (Morris Cooper S)
Grande Turismo: Américo Nunes (Porsche 911 S)
1969
Turismo Série: António Sarmento Rebelo
Turismo Especial: Luis Netto (Austin Cooper S)
Grande Turismo: Américo Nunes (Porsche 911 S)
1970
Turismo Série: Jorge Nascimento (BMW 2002)
Turismo Especial: José Carpinteiro Albino (Saab 96 V4)
Grande Turismo: Américo Nunes (Porsche 911 S)
1971

Turismo Série: António Carlos Oliveira (Datsun 1600 SSS)
Turismo Especial: Jorge Nascimento (BMW 2002 TI)
Grande Turismo: Giovanni Salvi (Porsche 911 T)
1972
Turismo Série: Luis Netto (Fiat 125)
Turismo Especial: António Raposo Magalhães (BMW 2002 TI)
Grande Turismo: António Borges (Porsche 911 S)
1973
Turismo Série: "Mêquêpê" (Opel Kadett GTE)
Turismo Especial: Rui Gonçalves (Austin 1275 GT)
Grande Turismo: Luis Netto (Fiat 124 Spider)

Comments: Enviar um comentário

<< Home

Powered by Blogger