<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d11538882\x26blogName\x3dLa+force+des+choses\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLACK\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://scriptoriumciberico.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://scriptoriumciberico.blogspot.com/\x26vt\x3d-290933400104219020', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
La force des choses
19.10.06
 
Da Matéria 3: Bergson

Volto um instante à “percepção pura” imaginada por Bergson em Matéria e Memória, para fazer sentir o quanto a sua problemática da relação entre matéria e espírito é leibniziana no seu fundo.
É certo que a hipótese de trabalho de Bergson é muito diferente, é pragmática, se assim o quisermos: o corpo vivo é um agente de transformação das coisas, qualquer percepção conduz a uma acção.
Mas o que não é pragmático é que a percepção seja aplicada por Bergson a qualquer ponto material: “quanto mais imediata for a reacção, mais será necessário que a percepção se pareça com um simples contacto e o processo completo de percepção-reacção distingue-se apenas quando da impulsão mecânica seguida de um movimento necessário” (Matéria e Memória).

À medida que se sobe na escala dos seres organizados, observamos que a reacção imediata é atrasada, “impedida” e que essa inibição explica a indeterminação, o imprevisível, a liberdade crescente das acções.
Bergson vê o motivo para a existência desta inibição na extensão e na complexidade dos dispositivos nervosos que se interpõem entre as fibras aferentes (ou sensitivas) e as fibras eferentes (ou motrizes).
O “espelho” complexifica-se, o influxo produzido pode ser filtrado por muitas vias. Passará apenas por uma via e esta será a acção real. Mas muitas outras acções eram possíveis e ficarão inscritas no seu estado virtual.
É assim que a percepção deixa de ser “pura” ou seja instantânea e que a consciência representativa pode nascer dessa reflexão (no sentido óptico) desse “eco”, do influxo sobre o conjunto das outras vias possíveis e ignoradas actualmente, que formam a memória;
trata-se apenas de memória imediata, ou hábito; a lembrança será a memória dessa memória.

É assim que, o que se dá um por um, como diz Bergson, “abalo após abalo” no ponto material amnésico, é identificado, condensado, como numa só vibração de alta-frequência, na percepção auxiliada pela memória.
A diferença pertinente entre o espírito e a matéria é o ritmo.
Num “instante” de percepção consciente que é na realidade um bloco indivisível de duração feito de vibração, “a memória condensa uma multiplicidade enorme de abalos que aparecem todos juntos, apesar de sucessivos” (Matéria e Memória, p. 73)
Para encontrar a matéria a partir de uma consciência bastar-nos-ia “dividir de modo ideal esta espessura individida de tempo e dsitinguir nela a multiplicidade desejada dos momentos” (ibid.)

Podemos exemplificar com uma dessas “qualidades segundas” abandonadas pela explicação mecanicista, por exemplo a cor vermelha.
A Ciência vê neste exemplo uma autêntica matéria, reconhece na luz vermelha uma vibração de campo magnético cuja frequência é de 400 triliões de vibrações por segundo.
O olho humano precisa de dois milésimos de segundo para dissociar duas informações no tempo.
Se tivesse que dissociar as vibrações condensadas na percepção do vermelho, seriam necessários vinte e cinco mil anos.
Mas ao sincronizar-se com esse ritmo, deixaria de perceber a cor vermelha, registaria apenas “abalos Puros” diz Bergson.
O indivíduo passaria a ser cada um dos abalos, instante após instante; seria um ponto material “puro” ou “nu”.

Jean François Lyotard, O Inumano, considerações sobre o tempo, Estampa 1990


Comments:
Rôda-ssssseeeee!!!!!! Não tens nada um pedaçinho mais complicado que se leia? ehe ehe ehe (Abraço)
 
:)
se te deres ao trabalho talvez encontres algum sentido... experimenta lá, castoriadis, toi-tu
 
Enviar um comentário

<< Home

Powered by Blogger