<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d11538882\x26blogName\x3dLa+force+des+choses\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLACK\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://scriptoriumciberico.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://scriptoriumciberico.blogspot.com/\x26vt\x3d-290933400104219020', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
La force des choses
15.9.06
 
Oriana
CorrieredellaSera
...
Perché quello è un Mostro intelligente, informato, cari miei.
Un Mostro che (a nostre spese) ha studiato nelle università, nei collegi rinomati, nelle scuole di lusso.
Un Mostro che non s' intende soltanto di dinamica, chimica, fisica, di aerei e treni e metropolitane: s' intende anche di Arte.
...
Ma non possiamo scappare o alzare bandiera bianca.
Possiamo soltanto affrontare il Mostro con onore, coraggio, e ricordare quel che Churchill disse agli inglesi quando scese in guerra contro il nazismo di Hitler.
Disse: «Verseremo lacrime e sangue».
Oh, sì: pure noi verseremo lacrime e sangue.
Siamo in guerra: vogliamo mettercelo in testa, sì o no?!?
E in guerra si piange, si muore. Punto e basta.

Oriana Fallaci, Firenze 29 giugno 1929 / 15 settembre 2006

Em tempo:
Após a noticia que me motivou o post, vim a ler aqui (vão lá ver, aconselho) o testemunho da IO sobre esta mulher, que me pôs novamente a tremer por dentro.
Estive pra espetar com ela na minha galeria de divas, as "images of God", mas... não; Oriana não exercia sobre mim uma mera atracção física, era muito mais, era uma profunda admiração por uma pessoa que "por causa da verdade, de que não abdicou" acabou, como dizes, "odiada por uns e por outros".
Li dela “Um Homem”, e foi por aí começou o feitiço.
É isso IO, é isso... concorde-se ou não "sabia escrever e tinha uma personalidade marcante".
Comments:
Bela homenagem, magnífica fotografia! - abraço, IO.
 
Se as divas são as que ficam, ela foi-o! - e como me marcou a sua coragem na minha juventude!
Um beijo, IO.
 
Enviar um comentário

<< Home

Powered by Blogger