<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d11538882\x26blogName\x3dLa+force+des+choses\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLACK\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://scriptoriumciberico.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://scriptoriumciberico.blogspot.com/\x26vt\x3d-290933400104219020', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
La force des choses
19.8.06
 
Como define a actual operação de Israel?


Sugiro uma correcção: é uma operação dos EUA e de Israel, como de facto foram as anteriores invasões israelitas.
Podemos dizer que a invasão de 1978 foi só de Israel, mas a participação e o apoio dos EUA foi crucial para as outras, embora os EUA tenham obrigado Israel a pôr fim aos ataques em 1982 e 1996, quando as atrocidades começavam a afectar os interesses americanos.

O principal objectivo é meter o último prego no caixão da Palestina.
A ultima fase é o programa Hitkansut (convergência) de Ehud Olmert, destinado a anexar importantes territórios e recursos (em especial a água) palestinianos, deixando o remanescente dos cada vez mais diminutos territórios palestinianos como cantões inviáveis, práticamente desligados uns dos outros.
Todos estes enclaves vão ficar aprisionados, tal como Gaza está, enquanto Israel ocupa o Vale do Jordão.
Existe pouca oposição significativa a estes progamas em curso quer na Europa quer na região, para além do Hezbollah.

É por isso que o Hezbolah tem que ser destruído.
Como é parte integrante do Libano, então o Líbano tem que ser destruído, mais uma vez.
E a Síria e o Irão têm que ser advertidos que poderão estar a seguir se não obedecerem ao patrao global e ao seu cacique regional.
Destruir o Líbano tem a vantagem acessória de eliminar qualquer dissuasão libanesa a um eventual ataque ao Irão.


Noam Chomsky
in VISÃO 17 Ago 2006

Comments:
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
 
Enviar um comentário

<< Home

Powered by Blogger