<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d11538882\x26blogName\x3dLa+force+des+choses\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLACK\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://scriptoriumciberico.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://scriptoriumciberico.blogspot.com/\x26vt\x3d-290933400104219020', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
La force des choses
29.7.06
 
A condenação do Sionismo
Em Março de 1919 na Conferência de Paz em Paris estala a controvérsia entre franceses e ingleses sobre a partilha da Síria. Lloyd George tenta equilibrar o pró-sionismo britânico na Palestina com um voluntarismo pró-hachemita na Siria, contrário aos interesses da França.
O presidente Wilson intervem propondo uma comissão de inquérito no próprio terreno; Franceses e Ingleses preferem entender-se directamente e recusam, mas Wilson determinado envia-a só com os americanos Henry King e Charles Crane.



Entre Junho e Agosto a comissão ouve todas as comunidades da “Síria” geográfica (que engloba a Palestina) e o relatório King-Crane transmite um tremendo argumentário anti-sionista no capítulo relativo à Palestina, apesar dos comissários se terem afirmado à partida simpatizantes da causa.

“Na sua mensagem de 4 de Julho de 1918, o presidente Wilson enunciou os quatro princípios por cujo respeito combateram os aliados.
Um deles é a solução de qualquer questão territorial, de soberania, económica, politica na base da livre vontade do povo directamente envolvido e não por interesses materiais ou privilégios de qualquer outra nação ou povo.

Se esse princípio for aplicado e se por consequência a população palestina chamada a decidir o destino do seu país, então temos o dever de lembrar que a população não judia – cerca de 90% do total – se opõe absolutamente ao programa sionista.
Sujeitar uma população com tal sentimento a uma imigração judia ilimitada e submete-la a pressões financeiras e sociais para a levar a alienar terra, será uma grave violação do princípio acabado de invocar.

Nenhum dos oficiais britânicos entrevistados pela comissão acredita ser possível aplicar o programa sionista sem recorrer á força armada.
O recurso à força é por vezes necessário, mas não deve ser adoptado de forma ligeira em especial por uma causa injusta” *

As conclusões aconselham claramente ao abandono da perspectiva de um estado judaico, á limitação da imigração e inclusão da Palestina numa Grande Síria.
O Wilsonismo virara-se contra o Sionismo, mas o presidente Wilson, ele próprio sionista, vai mandar arquivar pura e simplesmente o relatório.
Mais uma vez a Ética se calou para deixar passar a Política.
Em 24 de Julho de 1922 o Conselho da Sociedade das Nações confirmou os acordos de S. Remo de 1920 (reconheciam a vocação sionista da Palestina) e confiou oficialmente à Inglaterra o mandato sobre a Palestina.

* Retirado de Charles Zorgbibe, Histoire des relations internationales (1918-1945)- Hachette Paris 1994


Comments:
Muito interessante! - um Abraço, IO.
 
beijoca IO
 
Enviar um comentário

<< Home

Powered by Blogger