<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d11538882\x26blogName\x3dLa+force+des+choses\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLACK\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://scriptoriumciberico.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://scriptoriumciberico.blogspot.com/\x26vt\x3d-290933400104219020', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
La force des choses
14.7.06
 
As Armadilhas da Globalização


Nos anos 80 os estados industrializados do Ocidente não levaram às ultimas consequencias o debate sobre o preço sensato para transportes e combustiveis, tal como nunca levaram a sério a necessidade de um imposto ecológico equitativo.

Quiseram, por conta do seu egoismo instalado, reservar-se o bem-estar, a segurança, os direitos humanos, fazendo negócios com vista grossa.
E em tudo isto, não vemos diferença entre esquerda e direita, até a Europa com a retórica humanista, terá sido mais hipócrita que a América.

Os emergentes, recém chegados ao mercado global, e até aqui mantidos à distância, aproveitaram-se dum jogo sem regras; a industrialização desses países desenrola-se hoje num clima de ignorancia económica, social e ecológica.
Todos vamos pagar as facturas dessa atitude; uma delas chama-se deslocalização e está a empobrecer os ricos; mas outra, que só será apresentada lá mais para a frente, chama-se factura ambiental, é mais grave e toca a todos.

Preocupam-se alguns com a construção de uma central nuclear em Portugal, que seria a solução para reduzir a importação de energia, cumprir Kyoto e permitir o desenvolvimento, sem perigo maior que o já existente; a mim preocupam-me mais as centrais obsoletas do Leste, e as mil que a China prepara. Aquele mundo faz mais de duas Europas e está cada vez mais sôfrego de energia, lá é tudo faraónico, até os disparates.
Baseado em "Armadilha da Gobalização", de Hans Peter Martin/Harald Schumann


Comments: Enviar um comentário

<< Home

Powered by Blogger