<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d11538882\x26blogName\x3dLa+force+des+choses\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLACK\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://scriptoriumciberico.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://scriptoriumciberico.blogspot.com/\x26vt\x3d-290933400104219020', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
La force des choses
25.5.06
 
Eurocomunismo: a ultima face de Lenin

Pravda
Foi só depois do XX Congresso do PCUS (1956) revelar os horrores a que levara Stalin, que as consequências desta viragem do Leninismo foram amadurecendo lentamente no Ocidente.
Houve assim um reconhecimento da Democracia como valor perene e a preocupação de assumir um compromisso durável, senão com o Capitalismo - sempre uma realidade negativa que é preciso “derrubar”, “superar” (Berlinguer) - ao menos com a propriedade privada (não apenas com a pequena) e com o Mercado.

Assim, no Ocidente, o Leninismo, mais do que voltar às posições da Social-Democracia clássica - em relação às quais, ao rejeitar o colectivismo integral, se coloca mais à direita - tende a aproximar-se das esquerdas socialistas democráticas.

Um sinal desta convergência está na comum reivindicação de uma “terceira via”.
Os Euro leninistas buscam essa terceira via entre o Reformismo burguês e o Colectivismo soviético.

O que ainda falta para uma perfeita identidade de pontos de vista entre os Socialistas democráticos de esquerda e os Euro leninistas é o reconhecimento, por parte destes, de que o Centralismo chamado democrático é a negação da democracia de partido, tal como o Socialismo chamado real é a negação do Socialismo.

(adaptado de Domenico Settembrini, in Dizionario di Politica, UTET 1983)

Não foram meras questões ideológicas, abstractas, mas a própria ligação com a antiga URSS que se rompeu, com o Eurocomunismo (como viu Cunhal).
Foi mais profundo, foi o fim da parábola Leninista no Ocidente, premonitória da queda do Muro em Novembro de 1989 e do fim do Comunismo.

Hoje, em Portugal, pouca diferença ideológica faz o PS do PSD (um caso particular misturando centro e direita); são ambos evoluções para o Centro das antigamente chamadas esquerdas socialistas democráticas.

Já o PCP é uma estranha (quiçá renascentista?) sobrevivência do Comunismo estalinista "clássico"; e é na sua competição eleitoral particular com os antigos Trotskistas (Bloco de Esquerda) que encontramos a verdadeira fractura na Esquerda (ou melhor, dos que a si próprios assim se vêem);
Mais centralistas e menos acomodados à Democracia “burguesa” uns;
Mais acomodados e democráticos os outros;
Todos relutantes na aceitação do Mercado, todos concordantes numa maior intervenção do Estado.

Ideológicamente, esta esquerda portuguesa actual lembra-me mais a Social-democracia pura e dura, de Bernstein.


Comments: Enviar um comentário

<< Home

Powered by Blogger