<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d11538882\x26blogName\x3dLa+force+des+choses\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLACK\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://scriptoriumciberico.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://scriptoriumciberico.blogspot.com/\x26vt\x3d-290933400104219020', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
La force des choses
24.3.06
 
O Discurso da Serpente

Porque te recusas ó Eva, a provar do pomo que te ofereço?
Decerto a existência te corre feliz e doce, num calmo, fresco fluir como do regato que te embala no sono;
Não há fera nos bosques nem ave no céu que secretamente não inveje a tua marcha de cadência e firmeza, o teu repouso de harmonia e elegância;
...
Eu próprio te admiro ò Eva, e confesso que me seria impossível ter-te criado mais bela e nobre do que és;
Mas ante a obra, sei o que há de mal talhado;
Sou o génio que critica e melhora, que vai tornando cada dia mais certos os caminhos do Sol e marcando às ondas do mar um mais rítmico encher;
Sou o que vem junto a ti para te revelar a ti mesma.

...
Não afastes pois, o meio que te pode conduzir à liberdade plena;
Começa hoje mesmo, pela simbólica maçã a assimilar o Mundo, vai-o observando instante a instante, encontrando nele as semelhanças divinas com a Luz que te resplandece no peito;
Que nada hoje por fim, fora de ti, senão como sonho que poderás sonhar quando quiseres, como um jogo que elevas ou derrubas à vontade;
Aprisiona o teu Senhor e o conselheiro que em mim te surge na fina tarde com a lei que tiveres inventado e sê tu livre;
Subjuga depois a própria Lei, concebe-a como figura do sonho ou como pedra do jogo;
E então ó Eva, te alargarás a todos os espaços, e batidos os deuses serás Deus!


Agostinho da Silva, Considerações e outros textos, Assírio&Alvim 1988
Comments:
Eu sou uma maçã.
 
Enviar um comentário

<< Home

Powered by Blogger