<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d11538882\x26blogName\x3dLa+force+des+choses\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLACK\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://scriptoriumciberico.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://scriptoriumciberico.blogspot.com/\x26vt\x3d-290933400104219020', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
La force des choses
3.2.06
 
3. O direito cosmopolítico

Terceiro artigo definitivo para a Paz Perpétua:
O Direito cosmopolítico deve limitar-se às condições de uma hospitalidade universal
(Emmanuel Kant 1759)

O desenvolvimento do comércio mundial a partir do início do século XVI incrementou os contactos entre os povos e as civilizações.
Encontrar o outro, reconhecê-lo como nosso semelhante, favorece, na perspectiva do homem do iluminismo, a associação pacífica dos povos, visão que o imperialismo oitocentista se encarregou de destruir.
O homem cidadão do mundo, respeitado na sua dignidade humana em todas as latitudes, parece ser o ideal que Kant perseguia (sem que isso significasse todavia a defesa de uma cidadania mundial) por saber que só a Paz permitiria ás pessoas desfrutarem da sua Liberdade moral.

Assim sendo, o Jus Cosmopoliticum excede o âmbito do Jus Gentium, pois enquanto este regula o relacionamento entre os governos independentes (que subsistem no estado de natureza) aquele pretende levar os poderes soberanos a reconhecerem regras por todos aceites e observadas, prevendo sanções para a sua inobservância, tal como sucede com os indivíduos no seio da sociedade civil

In Manuel Filipe Canaveira, Em direcção à Paz Perpétua de Kant 2005

Comments: Enviar um comentário

<< Home

Powered by Blogger