<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d11538882\x26blogName\x3dLa+force+des+choses\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLACK\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://scriptoriumciberico.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://scriptoriumciberico.blogspot.com/\x26vt\x3d-290933400104219020', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
La force des choses
31.1.06
 
Guerra e Paz

NapoleonGuide

Em 1805, alguns meses depois da morte de Kant, discute-se política no salão da graciosa Ana Pavlovna, dama de honor da imperatriz Maria Fiodorovna.
Pedro, filho natural do riquíssimo Conde de Besukov (em tempos privado de Catarina II) analisa a situação europeia com o Abade Morio, que lhe diz que: a solução (para manter a paz no continente) é o equilíbrio europeu e o Direito dos Povos*.
Pedro, descrente, pergunta-lhe: como se obterá esse equilíbrio?*

Dias mais tarde, em amena conversa com o jovem e fogoso príncipe André Bolkonski, o obeso e sonolento Pedro, refastelado na poltrona, dá a sua própria resposta hesitante: Na minha opinião, Paz Perpétua é possível, mas, como direi?... não por meio do equilíbrio politico…*
André, desinteressado daquelas reflexões “maçónicas”, interrompeu o amigo e disse: Basta de frioleiras – falemos de coisas sérias. Estás decidido pela Guarda Montada?...*

Poucos anos depois, Balachov entrega a Bonaparte a carta do Czar Alexandre nas margens do Niémen, naquele momento não só a fronteirea da Santa Rússia, mas também a da Paz ou da Guerra.
A missiva dava ao Imperador francês a oportunidade de retroceder e optar pela paz, mas Napoleão decidiu avançar, preferindo a guerra.
Nesse momento, o promissor futuro da Paz Perpétua começava, de facto, por um fracasso, o primeiro de muitos que se sucederam até 1945…
*excertos de Guerra e Paz (1869) de Tolstoi

In Manuel Filipe Canaveira, Em direcção à Paz Perpétua de Kant 2005


No verão passado editei numa série sobre a Paz Perpétua de Kant, os seis artigos preliminares segundo o filósofo, condicionantes negativas para se estabelecer uma Paz que seja mais que uma trégua entre guerras.
Chamei-lhes nomes:
1º. A Diplomacia dos Lobos
2º. As Fomes Imperiais
Os Guerreiros Perpétuos
Os Créditos Lúgubres
A Invasão das Vontades
As Práticas do Inumano

Finalizo, editando os três artigos definitivos (já não condições negativas, mas positivas) na prosa atraente do Prof. Canaveira.


Comments: Enviar um comentário

<< Home

Powered by Blogger