<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d11538882\x26blogName\x3dLa+force+des+choses\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLACK\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://scriptoriumciberico.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://scriptoriumciberico.blogspot.com/\x26vt\x3d-290933400104219020', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
La force des choses
16.12.05
 
Das Torres do Saber

Odette Drapeau, artiste du livre

Vocês, os filósofos, colocam questões sem resposta, que assim devem permanecer para que mereçam o nome de filosóficas.
Uma questão equacionada só pode ser, segundo vocês, uma questão técnica.
Era técnica.
Foi tomada como filosófica.

Desviam então a vossa atenção para uma outra que aparenta ser impossível de resolver e que deve resistir a toda e qualquer conquista do entendimento.
Ou então, o que acaba por ser o mesmo, declaram que o facto de a primeira questão ter sido resolvida se deve à mesma ter sido mal colocada.
E atribuem a vocês mesmos o privilégio de a manter irresolúvel, ou seja bem colocada, a questão que a técnica, ao acreditar tê-la solucionado, mais não fez que a maltratar.

Uma solução tem para vocês o valor de uma ilusão, é uma verdadeira falta para com a integridade devida ao ser, e por aí fora.
Vida longa à vossa paciência.
Poderão sempre resistir à custa desta incredulidade.
Não se espantem no entanto se por causa desta irresolução, o leitor caia no aborrecimento.

(Jean François Lyotard, no Graduiertenkolleg da Universidade de Siegen (Alemanha), Novembro 1986)

Post Scriptum:


Quero sublinhar, que nem tudo o que aqui edito, corresponde ao meu pensar, bem pelo contrário.
O que faço, é passear pelo pensamento e factura dos outros (gigantes ou pigmeus), editando aquilo que me interessa, mas sem ter em conta o meu acordo ou desacordo.
Aliás sou mais de perguntas e de dúvidas, do que de problemas resolvidos.
A minha posição em relação a quase tudo é ambígua, porque pura e simplesmente,... não sei.

E esta crítica com humor, que trancrevi de Lyotard, assenta-me.
Talvez não até ao pescoço, mas enfio parte da carapuça.
Sou mais de perguntas e dúvidas...

Mas encontro-me nesta reflexão de Lyotard (ele próprio, um filósofo da pós-modernidade) e julgo que este “cepticismo intelectual” criticado, se aplica noutras “especialidades” (nos dois sentidos, para o crítico e para o criticado), desde os campos da religião até aos campos da política.

Sou mais de perguntas.
Vou percorrendo o caminho, embuído num pessimismo algo fadista, mas com recorrentes afloramentos dum optimismo estranho e seguro, que me está latente.
Acho que ascensão ao Céu não exclui ninguém, como informou em tempo um jovem carpinteiro palestiniano.
Só a cada um de nós, mónadas cósmicas, cabe escolher.

Comments:
Bem "dezido"
 
"Aliás sou mais de perguntas e de dúvidas, do que de problemas resolvidos.
A minha posição em relação a quase tudo é ambígua, porque pura e simplesmente,... não sei." - continua, eu gosto!!, Abraço, IO.
 
Enviar um comentário

<< Home

Powered by Blogger