<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d11538882\x26blogName\x3dLa+force+des+choses\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLACK\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://scriptoriumciberico.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://scriptoriumciberico.blogspot.com/\x26vt\x3d-290933400104219020', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
La force des choses
14.12.05
 
A companhia de Jesus

Gamado do Abrupto , Cristo no deserto de Kramskoy

O espelho da espiritualidade russa permite ver um amor sofrente e atento: Deus fica para além dos areais da Dor, e é preciso atravessar o deserto…

Eu acredito que Jesus veio em testemunho de Deus.
Caminhante em passagem sobre a Terra, ser finito e em trânsito, mas que para ela trouxe uma medida do Céu, como medida sem medida – a que humanamente se chama o Impossível.

Também acredito que por isso mesmo, Jesus sondou a Infinita Solidão, sondou a Dor até ao ponto onde ela se transfigura em Imortal Alegria.

Deus é Homem e todo o "fanatismo" se esgota depois de passar Nele.

O Pai foi passado, o Filho é presente e o Espírito é futuro.

Estou-me nas tintas para os outros Universos, paralelos ou não…
Estou-me nas tintas para os filamentos dançantes, os cacos oscilantes de espaço-tempo, a que físicos sem elegância chamaram cordas…
Quero lá saber do Espaço, dos mundos que chocam em formidáveis dilúvios de fogo…
Quero lá saber dos sóis, das imensas fornalhas ardentes que vomitam farrapos de fogo maiores que os próprios mundos…
Quero lá saber das montanhas, dos dorsos corcovados dos planetas que não passam de granito sobre alicerces de poeira…

Só Ele é... e tudo quanto existe assenta na sua mão.
O seu Verbo é a minha força neste andar humano pelo Vale das Sombras.
Este é o meu Irmão e o meu Deus.
Ali estou eu...
Na companhia de Jesus.

E quero ser assim.

(feito com o Sampaio Bruno e o Leonardo Coimbra)
Comments:
Que heresia.... o que vale é que os sois e o espaço e a poeira dos séculos não querem saber de vós...
e as mulheres, as irmãs, as mães e as filhas, onde estão?
 
Desculpa-me a heresia, porque não quis ofender-te ou ao teu Deus.

O meu post é apenas um abraço (flamejante) da criatura ao Criador.
O nosso Sol tomba, como todos, mas o que arde é amor, é o caminho da luz para a Luz.

Sem ofensa :)*
 
Deus não existe: não tem e-mail :)
 
excelente post...eu tb a gamei ao Zé....e agora ?
 
claro...

a fé também passa por negar os restantes caminhos.
 
não deixo de ter uma pontinha de inveja dessa fé...
***
 
cbs,

Todas as criaturas fazem parte da poeira dos séculos e todas dependem da infindável e misteriosa interligação entre todas as coisas.
Esse é cada vez mais o "meu Deus": a minha procura nada tem a ver com a ICAR, nem com enredos divinos que me eregem em santa-costela-privilegiada.
A trilogia de Pai-Filho-Espírito ofende-me, sim.
Cresci numa família católica mas que me deu suficiente espaço para eu me organizar e eu aproveitei-o para ir à procura de uma espiritualidade que depende, por exemplo, do Sol e da Lua e que se afasta de palavras como Luz e Trevas.
 
E-clair
Também me ofendo quando aquilo que amo é desprezado.
Estamos cá todos, aceito-o e acolho as ofensas, mas não daqui não saio.

Reitero as desculpas e repito o que disse antes.
Um abraço
 
Não tens de pedir desculpas. Temos visões muito diferentes da espiritualidade, lemos o mundo de forma muito diferente, pelo menos neste aspecto.
Quando li o teu post não me pareceu que estivéssemos cá todos, só Ele e em passado-presente-futuro. Foi por isso que me senti ofendida, na minha visão da nossa condição humana.
 
Pedir desculpa é uma fórmula, mas que tem o efeito de reduzir a ferida que causamos.
Por vezes é mesmo o único meio que me resta.

Eu quiz provocar, não a ti em especial, mas quis, quis...
porque quis tornar público o meu pensar.
Sabes quando um namorado(a) diz ao ouvido: és a única pessoa no mundo?
Foi o que fiz.
Mas é´só paixão, não o fiz para excluir ninguém, pelo contrário.
 
Eu não vejo ele em companhia de ninguém tadinho.
 
Enviar um comentário

<< Home

Powered by Blogger