<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d11538882\x26blogName\x3dLa+force+des+choses\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLACK\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://scriptoriumciberico.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://scriptoriumciberico.blogspot.com/\x26vt\x3d-290933400104219020', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
La force des choses
18.11.05
 
Da novíssima revolta
BBC
Neste mundo globalizado nada é estanque.
Levantar o discurso “dos valores” como se estes fenómenos fossem externos ao tecido da sociedade contemporânea é pactuar com o arranque já inevitável das rodas dentadas do extremismo: os de dentro, “dos valores”; e os de fora, “eles”, os outros.
(in A barriga de um arquitecto)


São miúdos que têm na maioria 16 a 17 anos.
São miúdos que estão fechados nos bairros problemáticos sem quase nunca saírem de lá.
Individualmente, não existem, ninguém lhes liga.
Mas são “alguém” colectivamente, quando se amotinam.
Nessas ocasiões, fala-se neles, repara-se neles e interessam-se por eles.
Há momentos, numa sociedade, em que as emoções colectivas fazem sentido.
A violência urbana assume um sentido quando cria um colectivo que gera um sentimento de pertença a algo – há “eles” e “nós”, há “cá dentro” e “lá fora”, os que estão “em cima” e os que estão “em baixo”.
Adil Jazouly (sociólogo), Público 12 Novembro 2005

Quando falamos de Nações e de Pátrias, seria útil levar essas ideias a sério, porque elas são agentes poderosos nas sociedades humanas.
Há grupos que excluem e matam, e há grupos que unem e estendem os braços.
Mas há sempre a necessidade de pertencer a algo, de "estar dentro", haverá sempre grupos e haverá sempre medos, porque é essa a nossa natureza.

Comments: Enviar um comentário

<< Home

Powered by Blogger